Jaques Wagner diz que ‘apressado come cru’ sobre avalições de suposta derrota do PT

O senador Jaques Wagner (PT-BA) ficou “pistola” com as avaliações iniciais apontando o PT como “grande” derrotado das eleições 2020. Segundo o parlamentar baiano, ‘apressado come cru’ quando comemora precipitadamente.

A declaração de Wagner se deu no contexto da derrota do PT nas eleições de Feira de Santana e Vitória da Conquista, duas cidades importantes da Bahia, que tiveram segundo turno.

Para o senador petista, o resultado negativa das eleições municipais não irão impactar na sucessão do governador Rui Costa (PT) em 2022.

“Na Bahia, tem gente comemorando precipitadamente. É bom lembrar que apressado come cru”, escreveu Wagner no Twitter. “Em 2016, também não ganhamos Salvador, Feira, Conquista e Camaçari”, disse.

Jaques Wagner ainda lembrou na rede social que em 2016 o PT nem foi para o segundo turno. “Nem sequer fomos ao 2º turno em Feira e Conquista.”

“E em 2018, Rui Costa teve uma eleição retumbante e elegemos 2 senadores”, comparou o senador.

Dentre os que comemoraram a suposta derrota do PT na Bahia está o atual prefeito ACM Neto, candidato do DEM ao governo baiano em 2022.

“As vitórias de Herzem, em Conquista, e de Colbert, em Feira, são simbólicas e confirmam que novos ventos começam a soprar em nosso estado. Ventos que mostram que os baianos estão preparados para construir um futuro ainda muito melhor”, cutucou o “Grampinho” (apelido de ACM Neto).

“Agora aumentamos nossas votações em todas estas cidades. Então, para quem quer logo tirar a consequência para 2022, eu acho muito precipitado”, disse Jaques Wagner, sugerindo que ACM pode ‘comer cru’ por fazer análise apressada.

A mesma análise feita por Jaques Wagner na Bahia, segundo os dirigentes nacional do PT, também se aplica às demais praças onde o partido perdeu o segundo turno.

Eleições balanço: PT enfrentou a máquina de mentiras e o dinheiro dos conservadores, diz Gleisi

Bolsonaro diz que derrotado foi Moro que ‘nem conseguiu eleger vereador’ em Curitiba

Contratação de Moro por consultoria da Odebrecht repercute mal nas redes