Bolsonaro inicia a ‘militarização’ da Anvisa em meio à pandemia de Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro indicou o tenente-coronel da reserva Jorge Luiz Kormann para exercer o cargo de diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A indicação foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (12) e ainda precisa ser aprovada pelo Senado.

Kormann atualmente ocupa o cargo de diretor de Programa no Ministério da Saúde. De acordo com o blog BR Político,do jornal O Estado de São Paulo, ele vai preencher a vaga que será deixada pela farmacêutica Alessandra Bastos Soares no dia 19 de dezembro.

A nomeação ocorre em meio a críticas sobre a atuação da Anvisa, que paralisou o testes com a vacina contra covid-19, a CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan e pela farmacêutica chinesa Sinovac.

Na tarde da quarta-feira (11), foi autorizada a retomada do estudo depois de a agência considerar que a morte do voluntário, que cometeu suicídio, não tinha qualquer relação com a vacina.

LEIA TAMBÉM SOBRE O VAI E VEM DA ANVISA:

Anvisa autoriza retomada de estudos clínicos da vacina Coronavac

Comitê internacional recomenda que Anvisa retome a testagem da CoronaVac

Jornalista da Globo diz que a Anvisa virou ‘Agência de Vigilância Ideológica’

A Anvisa, atualmente, é presidida pelo almirante Antonio Barra Torres. A pergunta que não quer calar: Será que Bolsonaro também vai militarizar a agência, como fez com o Ministério da Saúde, em plena pandemia do coronavírus…