Bonner vira “comunista” após noticiar inocência de Lula no Jornal Nacional

Bolsonaristas e fundamentalistas de extrema direita –adoradores de Bolsonaro e Moro– acreditam que William Bonner deu uma guinada ao “comunismo”, após o chefão do Jornal Nacional noticiar mais uma vitória do ex-presidente Lula contra a Lava Jato.

O neo “marxista-leninista” William Bonner, de acordo com o delírio extremista, se entregou ao lulopetismo em pleno horário nobre. No devaneio direitista, a mentira tinha de continuar para não manchar a imagem do ex-juiz Sérgio Moro.

Segundo noticiou o Jornal Nacional, da Globo, na noite desta sexta (2), a juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, não encontrou evidências de que o dinheiro das palestras do ex-presidente Lula eram mal havido.

Na prática, a Lava Jato também não provou nada acerca dessa fake news que a Globo ajudou disseminar nos últimos anos, a exemplo da mentira do tríplex do Guarujá (SP), divulgada no famigerado power point do procurador Deltan Dallagnol. A emissora igualmente participou desse conluio sabidamente criminoso.

Mesmo com toda essa história pregressa, o delírio do bolsonarismo e do morismo –adoradores de Bolsonaro e Moro, repetimos– insiste carimbar William Bonner de “comunista”.

Marx Lênin devem estar se revirando no túmulo de vergonha alheira, no caso, dos fundamentalistas de extrema direita.

Para completar o delírio, só falta eles [surtados] falarem que William Bonner se filiará no PCdoB. Aí é melhor me tirar o tubo, como pedia a personagem de Jô Soares.

Veja como foi a polêmica nota de William Bonner no Jornal Nacional:

Jornal Nacional informa: Lava Jato reconhece legalidade de palestras de Lula

O Jornal Nacional, da TV Globo, teve de mostrar na noite desta sexta-feira (2) que a Lula é inocente em mais uma das acusações sem provas da Lava Jato.

O telejornal apresentado pelo jornalista William Bonner mostrou que a juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, reconheceu a legalidade das palestras do ex-presidente Lula para empreiteiras após deixar o governo.

A magistrada destacou na decisão que se presume a licitude dos recursos bloqueados porque não houve comprovação de sua origem ilícita.

Portanto, o ex-juiz Sérgio Moro e o ex-coordenador da força-tarefa Lava Jato, Deltan Dallagnol, sofreram uma derrota que até saiu no Jornal Nacional, da Globo.

Com a sentença, a juíza Gabriela Hardt liberou parte dos bens –cerca de R$ 4,8 milhões– bloqueados do ex-presidente Lula. Esse dinheiro é referente ao espólio da ex-primeira-dama Marisa Letícia, morta em 2017.

Na prática, o Jornal Nacional corroborou com a tese segunda qual a Lava Jato também mentiu sobre as palestras de Lula.

Compartilhe agora