Vídeo de Bolsonaro causa reboliço nos EUA e demissão no Facebook

Não se fala de outra coisa. O Facebook vive um reboliço interno causado por um vídeo do presidente Jair Bolsonaro, que, apesar de considerado desumanizador, foi mantido no ar pela empresa americana de aplicação de internet.

Segundo o jornal New Yorker, Bolsonaro publicou no Facebook um vídeo no qual discursa sobre a questão da população indígena no Brasil. A manutenção da postagem levou um especialista da empresa de tecnologia a pedir demissão nos EUA.

“O índio mudou. Ele está evoluindo e se tornando, cada vez mais, um ser humano como nós”, disse na época o presidente brasileiro. O vídeo é de 23 de janeiro de 2020 (assista abaixo).

Para a publicação americana, o racismo de Bolsonaro não foi exatamente uma surpresa, mas seus comentários causaram alvoroço mesmo assim.

Jornal New Yorker conta os bastidores

New Yorker conta que o Facebook não removeu o vídeo, embora suas diretrizes proíbam “discurso desumanizador”, incluindo qualquer insinuação de “subumanidade”.

A reportagem prossegue dizendo que Jair Bolsonaro, um autocrático político brasileiro, concorreu à presidência, em 2018, com um orçamento ‘oficialmente’ apertado. Para passar sua mensagem, ele confiou muito no Facebook, cujos aplicativos de mídia social são os mais populares em seu país.

“Desde que assumiu o cargo, em 2019, ele faz um discurso presidencial semanal no Facebook Live”, relata o jornal.

Segundo a publicação americana, David Thiel, um especialista em segurança cibernética na sede do Facebook em Menlo Park, leu sobre a polêmica.

Facebook é Bolsonaro, Bolsonaro é Facebook

Depois de pesquisar o discurso no Facebook, ele ficou chocado ao descobrir que ele ainda estava ativo. Ele escreveu no Workplace: “Presumo que iremos remover este vídeo da nossa plataforma?” Sua pergunta foi encaminhada a especialistas no assunto, incluindo um em Brasília e um em Dublin. Ambos decidiram que o vídeo não violou as diretrizes.

“O presidente Bolsonaro é conhecido por seus discursos polêmicos e ‘politicamente incorretos’”, escreveu o especialista em Brasília. “Na verdade, ele está se referindo aos indígenas se tornando mais integrados à sociedade (em vez de isolados em suas próprias tribos).”

O rebuliço no Facebook

Isso não satisfez Thiel, em parte porque o especialista, que trabalhou para pelo menos um político pró-Bolsonaro, não lhe pareceu uma fonte objetiva. Além disso, dado que os representantes de vendas locais do Facebook certamente incentivaram Bolsonaro a usar seus produtos, pode ter havido um conflito de interesses.

“É estranho para uma empresa passar de uma postura de ‘Por favor, senhor, use nosso produto’ para ‘Na verdade, senhor, agora você está com problemas por usar nosso produto’”, disse ele.

Thiel apelou da decisão e quatro ou cinco membros da equipe de política de conteúdo concordaram em se reunir com ele por videoconferência.

Para argumentar que “tornar-se um ser humano” era um discurso desumanizador, Thiel, com a ajuda de alguns de seus colegas, criou uma apresentação de quinze slides em PowerPoint, analisando o enunciado com a atenção minuciosa de um engenheiro de computação aos detalhes.

A contestação ao vídeo de Bolsonaro

Um slide incluiu uma definição Merriam-Webster da palavra “tornar-se” e acrescentou: “‘tornar-se’ algo necessariamente denota que, no status quo ante, o assunto atualmente não é aquela coisa.”

Thiel também argumentou que a retórica racista de Bolsonaro já havia incitado a violência. (Em 2019, o primeiro ano de Bolsonaro no cargo, sete líderes tribais brasileiros foram assassinados, o maior número em vinte anos. )

O penúltimo slide de Thiel traz uma citação estimulante do discurso de Zuckerberg em Georgetown: “Sabemos pela história que desumanizar as pessoas é o primeiro passo para incitar a violência. . . . Levo isso muito a sério e trabalhamos muito para tirar isso da nossa plataforma.”

Enquanto Thiel fazia sua apresentação, ele lembrou, vários membros da equipe de política “interromperam muito, recusando meu raciocínio ou questionando minha credibilidade”. Quando isso não funcionou, “eles continuaram insistindo, de um jeito meio preto e branco, que as palavras não violavam a política”.

Um ex-moderador de conteúdo me disse: “Em algum momento, alguém no Facebook poderia ter dito: ‘Continuaremos abrindo exceções sempre que os políticos violarem nossas regras’. Mas eles nunca quiseram admitir que, mesmo para eles, então, em vez disso, eles chegaram a este lugar lógico distorcido onde agora são capazes de olhar para algo que é claramente uma violação de suas próprias regras e dizer, ‘Não, nenhuma violação aqui.’”

A demissão causada por Bolsonaro no Facebook

Em março, Thiel anunciou sua renúncia do Facebook. “Foi uma desistência bastante evidente”, ele me disse.

O ex-funcionário do Facebook postou uma nota longa e apaixonada no local de trabalho.

“O Facebook agora está se alinhando cada vez mais com os ricos e poderosos, permitindo que eles joguem com regras diferentes”, escreveu ele, acrescentando que “a virada para a direita tem sido desilusora e não é mais algo com que me sinta confortável”.

Pouco depois de postar seu bilhete de despedida, a equipe de política de conteúdo escreveu a ele para dizer que havia revertido sua decisão sobre o discurso de Bolsonaro.

“Eu não sabia se eram eles tentando me fazer não ir embora, ou em melhores condições, ou o quê”, disse ele. “De qualquer forma, era tarde demais.”

Vídeo de Bolsonaro que derrubou o funcionário do Facebook (assista)

Compartilhe agora