URGENTE: Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford-AstraZeneca

Compartilhe agora

Um voluntário brasileiro que participava do ensaio clínico da vacina contra o Sars-Cov-2 desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca morreu. A ocorrência foi comunicado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na segunda-feira e divulgado nesta quarta-feira (21).

Ainda não há detalhes sobre a causa da morte nem se está relacionada à vacina. Tampouco se sabe se o voluntário teria tomado o imunizante ou o placebo. Segundo o Estadão, ele teria morrido de complicações da covid-19.

Em nota, a Anvisa ressalta que recebeu informações referentes à investigação de um comitê internacional.

“É importante ressaltar que, com base nos compromissos de confidencialidade ética previstos no protocolo, as agências reguladoras envolvidas recebem dados parciais referentes à investigação realizada por esse comitê, que sugeriu pelo prosseguimento do estudo. Assim, o processo permanece em avaliação.”

Segundo o órgão, os dados precisam ser “mantidos em sigilo” para garantir os regulamentos internacionais. A Anvisa diz, no entanto, que “cumpriu, cumpre e cumprirá a sua missão institucional de proteger a saúde da população brasileira”.

MAIS SOBRE A GUERRA DE BOLSONARO E AS VACINAS:

Eduardo Pazuello, do ‘quartel’ da Saúde, está com Covid-19

Guerra da vacina: ‘Impeachment de Bolsonaro volta à pauta’, diz Gleisi Hoffmann

Quartel da Saúde recua da vacina chinesa após chilique de Bolsonaro

Flávio Dino diz que governadores vão ao Congresso e à Justiça para garantira acesso à vacina

A vacina, chamada de ChAdOx1, está em testes no Brasil desde meados de julho, com cerca de 10 mil pessoas — em torno de 8.000 já receberam pelo menos uma das duas doses.

O estudo global chegou a ser interrompido em 6 de setembro devido a uma reação adversa grave em uma voluntária no Reino Unido, mas foi retomado três dias depois no mundo todo, exceto nos Estados Unidos.

O Ministério da Saúde fechou um acordo de R$ 2 bilhões com a AstraZeneca, em agosto, para compra de doses e transferência de tecnologia para a Fiocruz.

Enquanto isso, Bolsonaro investe contra a vacina de origem chinesa, a SinoVac, que será produzida no Brasil, para alimentar uma “guerra das vacinas”, com objetivos políticos e ideológicos inconfessáveis e criminosos.

*Com informações do Estadão Conteúdo