Tribunal do Reino Unido obriga banco inglês devolver a Nicolás Maduro US$ 1 bilhão em ouro da Venezuela

Compartilhe agora

O Banco da Inglaterra será obrigado a devolver para o presidente Nicolás Maduro US$ 1 bilhão em ouro depositados na instituição financeira pela Venezuela. A decisão é de um tribunal de apelações britânico.

Os juízes reverteram nesta segunda-feira (5) a decisão de um tribunal inferior em que o Reino Unido havia reconhecido “inequivocamente” o líder da oposição Juan Guaidó como autoproclamado presidente da Venezuela. As declarações do governo sobre Guaidó podem não ter refletido a realidade local, disseram os juízes liderados pelo juiz Stephen Males.

O reconhecimento do Reino Unido “é, em minha opinião, ambíguo ou, pelo menos, menos do que inequívoco”, afirmou Males na decisão.

Maduro pede investigação sobre roubo de ouro venezuelano pelo Banco da Inglaterra

Venezuela acusa Banco da Inglaterra de “roubar” US$ 1 bilhão em ouro

O Banco Central da Venezuela processou o Banco da Inglaterra para ter acesso ao ouro, que entrou no limbo desde que as autoridades americanas fizeram lobby com sucesso junto aos seus colegas britânicos no ano passado para bloquear a tentativa de Maduro de retirar os ativos.

O governo do Reino Unido disse no ano passado que reconhece Guaidó como presidente interino da Venezuela até que novas eleições confiáveis ​​possam ser realizadas. Mas Males disse que o Ministério das Relações Exteriores deveria esclarecer se aceita que Maduro exerça o poder como presidente.

“A decisão do tribunal de primeira instância levou a uma situação completamente irreal”, disse Sarosh Zaiwalla, advogado do Banco Central indicado por Maduro, em um comunicado.

Com informações da agência Bloomberg