Silas Malafia no “paredão de fuzilamento” do presidente Jair Bolsonaro

Para a milícia que cerca o presidente Jair Bolsonaro a pior praga que existe é o “quinta coluna”, aquele sujeito que atua dentro do grupo para ajudar o inimigo externo.

Nesse seleto rol de “renegados” também está ingressando o pastor Silas Malafaia, que, no fim de semana, fez coro com o ex-ministro Sérgio Moro –desafeto dos Bolsonaro—ao criticar a nomeação do desembargador Kassio Marques para o STF.

“Erro de Bolsonaro na indicação da vaga do STF”, disse o religioso. A vergonhosa indicação de Bolsonaro para o STF. “Não posso acreditar! Bolsonaro fazendo jogo do PT e Centrão na indicação do STF”, insistiu.

Na história recente do Palácio do Planalto já há alguns ex-bolsonaristas que foram execrados publicamente. A saber:

  • Gustavo Bebianno (falecido) – era ministro da Secretaria-Geral da Presidência
  • Luiz Henrique Mandetta – foi ministro da Saúde
  • Sergio Moro – foi ministro da Justiça
  • General Santos Cruz – ocupou a ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República
  • Joice Hasselmann – era a líder do governo no Congresso.

A lista de desafetos de Bolsonaro, gestados na barriga do governo, é enorme. Citar mais alguns seria comente o pecado de esquecimento. No entanto, com certeza, a bola da vez no “paredão de fuzilamento” é Malafaia.

As demais autoridades nominadas acima, ex-bolsonaristas, sabem bem o que significa mijar fora do penico com os Bolsonaro e a milícia.

Em tempo: Silas Malafaia bateu boca, nesta terça (6), com a jornalista Mônica Bergamo. Ela relatou que o pastor foi ignorado por Bolsonaro em vários pleitos, o que é fato. Malafaia surtou contra a moça.

Compartilhe agora