Rússia pede aprovação de uso emergencial da vacina Sputnik V

Compartilhe agora

A Rússia anunciou, nesta terça-feira (27), que pediu à Organização Mundial de Saúde (OMS) a aprovação do uso emergencial da vacina Sputnik V, contra a Covid-19.

O fundo russo que coordena a produção da vacina apresentou pedidos para registro acelerado na Lista de Uso de Emergência e pré-qualificação do imunizante.

O diretor do fundo, Kirill Dmitriev, comentou o pedido, afirmando que ele “permitirá que a Sputnik V seja incluída na lista de produtos médicos que atendem aos principais padrões de qualidade, segurança e eficácia”.

A candidata russa tem previsão de ser produzida e testada em fase 3 no Brasil, em uma parceria firmada com o estado do Paraná.

A Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, em Moscou, foi a primeira vacina registrada contra a Covid-19 do mundo. Há cerca de duas semanas, a Rússia anunciou uma segunda vacina, a EpiVacCorona, desenvolvida pelo Instituto Vector, na Sibéria.

O Laboratório União Química de Brasília anunciou que começará, nos próximos dias, a produção da Sputnik V.

A fabricação é fruto de um acordo com o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), e a empresa já solicitou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a autorização para iniciar a produção e testagem do produto.

“Somos o primeiro e único laboratório do país a produzir a vacina russa. Estamos neste cronograma padrão de empresas farmacêuticas, de recebimento de insumos, pré-testes. O próximo passo é a produção piloto, a partir dos protocolos da Anvisa. Isso deve ser feito nos próximos dias. A pandemia é um desafio do mundo e temos uma empresa brasileira, com unidade de tecnologia de Brasília, auxiliando no combate à doença”, informou o Diretor de negócios internacionais do grupo União Química e ex-governador do Distrito Federal, Rogério Rosso.

Será que os russos vencerão a “corrida” da imunização contra a Covid-19?

Com informações do G1 e Correio Brasiliense.

Deu ruim para Bolsonaro: maioria do STF defende vacinação obrigatória

Vacina de Oxford gera resposta imune em jovens e idosos, diz AstraZeneca

[Vídeo] Venezuela anuncia vacina e oferece antiviral ao Brasil. E agora, Bolsonaro?