PSOL quer impedir uso de agrotóxico associado ao mal de Parkinson

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados protocolou um projeto de decreto legislativo (PDL) para sustar a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que permitiu o uso de estoque remanescente do agrotóxico Paraquate.

O uso do Paraquate no Brasil foi proibido pela Anvisa em 2017 após estudos apontarem que ele pode causar mutação genética e doença de Parkinson. No entanto, na última quarta-feira (7) a diretoria colegiada da agência autorizou os produtores agrícolas a utilizem os estoques remanescentes do agrotóxico nas plantações até 31 de agosto de 2021.

LEIA TAMBÉM
Lula comemora o Nobel da Paz

Inflação oficial sobe para 0,64% em setembro, aponta IBGE

Brasil x Bolívia; saiba tudo sobre o confronto desta sexta-feira

Para os deputados do PSOL, essa nova decisão da Anvisa viola o “instituto jurídico da coisa julgada” e configura-se como um “grave retrocesso ao afrontar o direito fundamental à saúde dos brasileiros e brasileiras e ao meio ambiente ecologicamente equilibrado”.

Fabricado pela gigante mundial suíça Syngenta desde a década de 60, o agrotóxico é proibido em mais de 50 países, inclusive em todo o território europeu desde julho de 2007.

Com informações do PSOL

Compartilhe agora