Professores entram na Justiça contra volta às aulas presenciais

Compartilhe agora

Ação é motivada pelo descumprimento, por parte do governo, de protocolos de segurança e prevenção ao novo coronavírus

A APP-Sindicato entrou na Justiça contra o Estado do Paraná, nesta sexta-feira (23), pedindo a suspensão imediata da convocação de professores e funcionários, pais e estudantes para o retorno gradativo das atividades presenciais extracurriculares em escolas da rede pública estadual.

Na petição, o Sindicato destaca que não há registro de que a Secretaria de Educação esteja cumprindo os protocolos de segurança e prevenção ao novo coronavírus, estabelecidos pela secretaria de Estado da Saúde (Sesa), para o retorno retorno de aulas nas escolas.

A Sesa determina, entre outras medidas, a formação de uma comissão local para avaliar e decidir sobre o retorno ou não. Também exige a elaboração de um protocolo contemplando as medidas de contingência para enfrentamento da Covid-19 em cada instituição de ensino. Pais ou responsáveis devem receber esse regulamento e serem consultados sobre a retomada das atividades.

Governo descumpre protocolo de segurança

O secretário de Assuntos Jurídicos da APP-Sindicato, professor Mário Sérgio Ferreira de Souza, explica que a Instrução Normativa n. 7/2020 da (SEED) e a Orientação Conjunta n. 11/2020 (DEDUC/DPGE/SEED) não demonstram que os procedimentos básicos foram adotados.

“O governo determina o retorno dos servidores sem cumprir os protocolos definidos pelas autoridades competentes. Não há garantia de que as atividades serão realizadas em espaços devidamente arejados e com condições para o mínimo distanciamento social necessário para a prevenção da Covid-19”, comentou.

Terceirização de responsabilidade para os pais é ilegal

A APP-Sindicato também alerta que o Estado está transferindo aos diretores e às famílias a responsabilidade civil e criminal por eventuais danos que ocorram em decorrência da reabertura das escolas com o descumprimento das determinações contidas na Resolução n. 1231/2020 da Sesa.

O presidente da entidade sindical, professor Hermes Silva Leão, avalia a convocação feita pela Secretaria da Educação como desnecessária, pois faltam poucos dias para o término do ano letivo. Para ele, a decisão coloca em risco a vida dos profissionais da educação, estudantes e suas famílias.

O dirigente acrescenta que, apesar de contrariedades ao sistema de aulas a distância adotado pelo governo, essa é a alternativa que se tem no momento para assegurar condições de segurança e saúde para trabalhadores, estudantes e demais integrantes da comunidade escolar.

Aulas presenciais somente após a vacinação

Os educadores afirmam que pretendem continuar trabalhando online, remotamente, até que haja vacinação em massa na comunidade escolar. Os profissionais do magistério afirma que são do grupo de risco e que a escola, local de aglomeração, pode se transformar em disseminar do vírus. “Aula presencial somente depois da vacinação”, disse Hermes Leão, na semana passada, durante entrevista ao Blog do Esmael.

Leia mais sobre a volta às aulas presenciais

Volta às aulas presenciais, não: professores deflagram greve segunda-feira no PR; assista ao vídeo

Jornal Nacional, da Globo, se une a Bolsonaro contra professores

[Vídeo] Ratinho Jr. avança na privatização da Educação no Paraná

Ratinho anuncia que está com Covid-19; assista ao vídeo