Pesquisadoras do genoma ganham o Nobel de Química 2020

As pesquisadoras Emmanuelle Charpentier (francesa) e Jennifer Doudna (norte-americana) foram anunciadas nesta quarta-feira (7) como as ganhadoras do Prêmio Nobel de Química de 2020.

Elas foram contempladas pelo desenvolvimento do método Crispr/Cas9 de edição do genoma, que funciona como uma espécie de tesoura molecular capaz de editar o código genético de qualquer animal, planta ou micróbio.

O método, considerado revolucionário, “contribui para o desenvolvimento de novas terapias contra o câncer e pode tornar realidade o sonho de curar doenças hereditárias”, destacou a entidade que concede a premiação.

LEIA TAMBÉM
Robert De Niro sugere a “dança do caixão” para Donald Trump

Senado cria prêmio Chico Mendes para matérias jornalísticas sobre o Meio Ambiente

Inadimplência nos condomínios aumenta 90% desde abril; veja o que fazer

É a primeira vez na história que duas mulheres ganham, juntas, o Nobel de Química. Charpentier é diretora do Instituto Max Planck de Biologia de Infecções em Berlim. Doudna é professora da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos.

O Prêmio Nobel é concedido anualmente pela Academia Real das Ciências da Suécia, que atribui premiações em dinheiro às pessoas que se destacam por seus estudos nas áreas de Literatura, Medicina, Física, Química e na promoção da Paz.

As duas pesquisadoras dividirão o prêmio de 10 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 6,3 milhões).

Compartilhe agora