Pesquisa presidencial: PT tiraria Moro do 2º turno, se eleição fosse hoje

Apesar do esforço da Globo, se a eleição fosse hoje, o ex-ministro Sérgio Moro não chegaria ao segundo turno da eleição presidencial. A pesquisa foi contrata pelo sistema financeiro, por meio da XP Investimentos –braço do Banco Itaú.

De acordo com o levantamento estimulado, o presidente Jair Bolsonaro e o candidato do PT [seja qual for] disputariam a segunda etapa eleitoral. O ex-juiz da Lava Jato ficaria na estrada, portanto, fora do segundo turno, de acordo com a pesquisa.

A pesquisa XP/Ipespe divulgada nesta quinta-feira (15) mostra o presidente Jair Bolsonaro na liderança das intenções de voto para a eleição de 2022. O presidente ganha dos adversários nas simulações, que chegarem ao segundo turno.

O levantamento mostra o presidente com 31% das intenções de voto no primeiro turno – o maior índice desde setembro de 2019, quando a XP Investimentos e o Instituto Ipespe começaram a fazer pesquisas eleitorais para as eleições de 2022. O petista Fernando Haddad (PT) aparece em segundo lugar, com 14% das intenções de voto.

O ex-juiz Sérgio Moro, com 11%, aparece tecnicamente empatado Ciro Gomes (PDT), com 10%.

Ou seja, se vacilar, Moro com Globo e tudo, perde do Ciro.

Veja o resultado da pesquisa estimulada no primeiro turno:

  • Jair Bolsonaro (sem partido): 31%
  • Fernando Haddad (PT): 14%
  • Sergio Moro (sem partido): 11%
  • Ciro Gomes (PDT): 10%
  • Luciano Huck (sem partido): 5%
  • João Amoêdo (Novo): 3%
  • Luiz Henrique Mandetta (DEM): 3%
  • João Doria (PSDB): 3%
  • Não sabe/Não respondeu/Nenhum/Branco/Nulo: 20%

Moro bate no PT porque está atrás nas pesquisas

O súbito ressurgimento do ex-ministro Sérgio Moro no noticiário ocorreu no fim de semana com a mesma pauta de sempre: suposto combate à corrupção. Ele acredita que batendo no PT e fazendo operações policialescas disputará o segundo turno contra Bolsonaro. Mesmo com a artilharia pesada da Globo, a pipa do ex-juiz não levanta mais.

Metodologia da pesquisa XP/Ipespe

A pesquisa da XP Investimentos foi feita em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe). Foram ouvidas 1.000 pessoas em todo o país, por telefone, entre 8 e 11 de outubro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Compartilhe agora