Pazuello pode ser demitido por Bolsonaro após acordo para compra de vacina chinesa

Compartilhe agora

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, entrou na marca do pênalti após o presidente Jair Bolsonaro dizer nesta quarta-feira (21) que foi traído na questão da compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac.

Bolsonaro disse em suas redes sociais que a vacina chinesa não será comprada pelo governo, desautorizando Pazuello que havia, no dia anterior, anunciado acordo com o estado de São Paulo para a compra de 46 milhões de doses da Coronavac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac, que será produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.

O presidente “gritou” na internet com seu ministro da Saúde ao escrever “NÃO SERÁ COMPRADA” em letras maiúsculas.

O presidente Jair Bolsonaro, ao se referir a Pauzello, falou em traição porque o ministro anunciou a compra da vacina chinesa.

“Qualquer coisa publicada, sem comprovação, vira TRAIÇÃO”, reagiu o presidente, “gritando” novamente.

Segundo a etiqueta na internet, quando a pessoa escreve com letras “MAIÚSCULAS” ela está gritando com as pessoas.

Portanto, Bolsonaro gritou “TRAIDOR” para Pazuello, que, possivelmente, será demitido do governo.

Nas redes sociais, os bolsonaristas acusam Pazuello e de “comunista” –por ter anunciado a compra da vacina chinesa– e pedem a sua demissão do Ministério da Saúde.

Assista ao vídeo

Leia mais sobre a vacina contra a Covid

STF pode obrigar Bolsonaro tomar a vacina contra a covid-19

Europa se fecha novamente enquanto Brasil se abre como uma flor. Quem está certo e quem está errado?

Governo anuncia compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa CoronaVac