Negros x negros: polícia que mata e morre versus vítima que morre

Compartilhe agora

Relatório do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), divulgado neste domingo (18), mostra que oito a cada dez pessoas mortas pela polícia em 2019 eram negras.

Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2020, tanto nas vítimas da polícia quanto nos próprios policiais mortos o perfil majoritário é o mesmo: homens negros.

A diferença fica na faixa etária. No caso das vítimas da polícia, 74,3% são jovens de até 29 anos; no caso dos policiais, 30,5% tinham entre 40 e 49 anos.

Das 6.357 vítimas de violência policial no ano passado, a maior parte, 99% era formada por homens.

Negros x negros

Os negros [policiais] foram colocados para combater os negros [vítimas] numa guerra insana nas periferias dos grandes centros urbanos. Os dois lados que morrem, segundo as estatísticas, sofrem execução extrajudicial, não tem formação da culpa como determina a Constituição Federal. São mortes ilegais, portanto, de lado a lado.

O quadro é esse: a polícia que mata e morre contra a vítima que morre.

Mortes violentas sobem 7% em semestre com pandemia, após queda em 2019

No ano passado, foram 47.773 pessoas assassinadas, contra 57.341 em 2018. Uma redução de 17,7%.

Já nos primeiros seis meses deste ano, houve aumento nas mortes violentas: 25.712 pessoas foram mortas, registrando aumento de 7,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

Sobre o Anuário Brasileiro de Segurança Pública

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública se baseia em informações fornecidas pelas secretarias de segurança pública estaduais, pelo Tesouro Nacional, pelas polícias civis, militares e federal, entre outras fontes oficiais da Segurança Pública.

A publicação é uma ferramenta importante para a promoção da transparência e da prestação de contas na área, contribuindo para a melhoria da qualidade dos dados.

Além disso, produz conhecimento, incentiva a avaliação de políticas públicas e promove o debate de novos temas na agenda do setor. Trata-se do mais amplo retrato da segurança pública brasileira.

A compilação dos dados de 2018 revela um contexto político e institucional em que alguns dos números agregados da violência letal intencional apresentam oscilações consideráveis, mas, paradoxalmente, pouco se sabe sobre as origens e razões desse movimento.

O Brasil não tem a prática de documentar, monitorar e avaliar as políticas setoriais, o que poderia contribuir para estimular o que deu certo e evitar o que deu errado.

Leia a íntegra do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2020

Clique aqui para fazer o download em PDF e ler a íntegra do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2020.