Lula contesta nova acusação da Lava Jato e diz que é mais um ato de perseguição

Compartilhe agora

O ex-presidente Lula, por meio de sua defesa, reagiu nesta sexta-feira (23) à nova denúncia apresentado pelo Ministério Público e aceita pelo juiz federal que substituiu Sergio Moro na 13ª vara criminal de Curitiba.

Nesse novo processo, admitido pelo juiz federal Luiz Antônio Bonat, Lula é acusado de usar valores arrecadados em doações para o Instituto Lula, o que jamais aconteceu, segundo os defensores do petista.

De acordo com os advogados do ex-presidente, a própria Receita Federal passou três anos investigando todas as doações e gastos feitos pelo Instituto Lula. “Não há respaldo mínimo para lastrear as acusações feitas pelo MPF”, asseguram.

Os advogados de Lula apontaram falhas na denúncia e consideraram descabida a aceitação deste novo processo.

“A decisão proferida hoje pela “Lava Jato de Curitiba” é mais um ato de perseguição contra o ex-presidente Lula porque aceitou processar mais uma ação penal descabida, que tenta transformar doações lícitas e contabilizadas para o Instituto Lula – que não se confunde com a pessoa do ex-presidente”.

Leia a íntegra nota do Instituto Lula sobre a nova acusação da Lava Jato

“As doações ao Instituto Lula – não somente as três citadas na denúncia, mas rigorosamente todas as doações – foram legais, feitas via transferências bancárias documentadas e contabilizadas, com os devidos impostos declarados e recolhidos. Cada centavo arrecadado foi gasto e contabilizado exclusivamente nas atividades do Instituto, como prevê seu objeto social e estatuto.

Esta instituição jamais serviu para ilícitos, ela é responsável pelo acervo e legado do governo que tirou o Brasil do mapa da fome e foi palco da elaboração de algumas das políticas públicas mais exitosas na história do país.

Assessoria de imprensa do Instituto Lula”

Sobre a nova acusação da Lava Jato

O Ministério Público Federal (MPF), sob o rótulo da Lava Jato, afirma que o crime envolveu doações da Odebrecht ao Instituto Lula para disfarçar repasses no total de R$ 4 milhões, entre dezembro de 2013 e março de 2014.

Na nova ação penal, viraram réus o ex-presidente Lula, o ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e o ex-presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto.

A acusação é pelo crime de lavagem de dinheiro.

Lula e as eleições 2020

A nova acusação da Lava Jato contra o ex-presidente Lula ocorre a 23 dias das eleições municipais. O PT aposta do ex-presidente como “arma secreta” para impulsionar candidaturas do partido sobretudo no Rio de Janeiro e Recife. Portanto, a nova ação penal significa mais uma tentativa de intervenção da força-tarefa no resultado eleitoral.

Gleisi Hoffmann se indigna com a Lava Jato

“Como sempre faz em véspera de eleições, a Lava Jato ataca o presidente Lula”, disse a presidenta nacional do PT. “Não há outra razão para o juiz Bonat ter aceito hoje a denúncia fajuta sobre as doações ao Instituo Lula, que ele sabe que são totalmente legais.”

A presidenta do PT disse que é “muita cara de pau” do juiz da Lava Jato.