Gleisi Hoffmann acompanha a eleição da Bolívia

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), desembarcou hoje em La Paz, capital da Bolívia, para testemunhar a eleição de Lucho Arce neste domingo (18).

O favorito é do MAS (Movimento ao Socialismo), partido de Evo Morales. Lucho foi ministro da Economia de Evo.

Se Lucho Arce obter pelo menos 40% dos votos válidos na eleição de amanhã –e mais de dez pontos percentuais a mais que o segundo colocado– a disputa se encerrará sem o segundo turno.

Caso haja segundo turno, nova eleição será realizada no dia 29 de novembro.

Bolívia sem golpe

Gleisi se encontrou neste sábado com o candidato Lucho Arce e o vice David Choqueuanca. Eles também falara por telefone com o ex-presidente Lula

“Nosso apoio à luta do povo boliviano e pelo respeito às urnas nas eleições deste domingo”, disse a presidenta. “Chega de golpes!”, bradou.

Gleisi Hoffmann ainda se encontrou com artista boliviano Mamani Mamani, que fez as máscaras com motivos dos povos originários, e Nela Prado, coordenadora da campanha de Lucho Arce, na visita que ela fez ao comitê de campanha do MAS.

Pesquisa eleitoral

No último dia permitido pelas autoridades eleitorais bolivianas para a divulgação das pesquisas, os canais privados Unitel e Bolivisión divulgaram um estudo realizado pela empresa Ciesmori em programas noturnos que mostra Arce com 42,2% dos votos válidos e Mesa com 33,1 por cento.

O estudo incluiu 3.170 entrevistas realizadas entre 29 de setembro e 8 de outubro em 579 localidades urbanas e rurais nos nove departamentos, com uma margem de erro de +/- 1,74%.

Segundo turno na Bolívia

A Constituição e a lei eleitoral boliviana estabelecem que para vencer no primeiro turno é preciso obter 50% mais um dos votos, ou pelo menos 40% com uma vantagem de dez pontos percentuais sobre o segundo mais votado.

Leia mais sobre a Bolívia

Evo Morales pode vencer na Bolívia deste domingo já no 1º turno

Apresentadora expulsa entrevistado que negou ditadura militar no Chile; assista

Partido de Evo Morales retoma Congresso e pode haver acordo para novas eleições

Compartilhe agora