Folha apoia Papa na questão dos gays em editorial, mas jornal continua bolsonarista na economia

O jornal Folha de S. Paulo, em editorial, mostra neste domingo (25) quão os jornalões brasileiros são medíocres. Na página 2, a publicação desce elogios à posição do Papa Francisco em relação aos gays enquanto, no dia a dia, a empresa de comunicação nega o Santo Padre na economia. A Folha prefere o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, ao Pontífice nas questões econômicas.

Para o jornalão paulistano, sem mudar a doutrina, as declarações do Papa Francisco aproximam a igreja da realidade –ao introduzir tabus como casamento gay, aborto ou o divórcio.

“Não é algo cuja importância deva ser desprezada. Hoje, apenas 28 nações permitem a união homoafetiva, quase todas nas Américas, incluindo o Brasil, e na Europa”, escreve a Folha, que sintoniza-se à agenda de costumes do Papa Francisco, mas, o jornalão, mantém seu cordão umbilical com o bolsonarismo na questão econômica.

O Papa já disse várias vezes que ‘é impossível servir ao mesmo tempo a Deus e a Mamom’ –cujo provérbio bíblico é repetido exaustivamente pelo ex-senador Roberto Requião (MDB-PR).

Entretanto, a Folha faz isso hoje no editorial: serve a Deus e a Momom ao mesmo tempo.

A luta gay merece todas as homenagens e apoios. Trata-se de um marco civilizatório o posicionamento do Papa Francisco e, consequentemente, da Igreja Católica Apostólica Romana. Mas não é de menor importância os posicionamentos do Pontífice em relação à economia, à ganância, à cobiça, à avareza e ao diabólico enriquecimento às custas do sofrimento alheio.

O posicionamento da Folha de S. Paulo, em editorial, é um posicionamento anticristo. Prefere o dinheiro, Mamom, o devorador de almas, a solidariedade, a um sistema econômico mais justo e sustentável defendido pelo Papa.

No ano passado, antes desse gol na questão dos homossexuais, Francisco discorreu sobre a economia numa carta aos jovens: “… estudar e praticar uma economia diferente, que faz viver e não mata, inclui e não exclui, humaniza e não desumaniza, cuida da criação e não a depreda. Um evento que nos ajude a estar juntos e nos conhecer, e que nos leve a fazer um ‘pacto’ para mudar a atual economia e dar uma alma à economia do amanhã.”

Portanto, conclui-se, Folha e Bolsonaro, juntos, são os adoradores de Mamom, anticristos, os verdadeiros cristofóbicos.

Leia mais sobre o Papa Francisco

Papa Francisco critica empresários que não pagam impostos

Papa Francisco defende ‘os direitos humanos no centro das políticas’

Papa Francisco abençoa casamento gay em filme no Festival de Cinema de Roma

A Folha amarelou para as mentiras de Bolsonaro, diz ombudsman da Folha

Compartilhe agora