Em clima de tensão social, Biden vota antecipadamente nesta quarta

Compartilhe agora

O candidato democrata e ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, votou antecipadamente nesta quarta-feira (28), seis dias antes do fim de uma disputa que lidera contra o presidente Donald Trump.

O ex-vice-presidente votou em Wilmington, no estado de Delaware, onde reside, somando-se ao número recorde de 74 milhões de americanos que já votaram antes do dia das eleições, em 3 de novembro.

“Restam seis dias para as eleições, e os americanos têm em suas mãos a possibilidade de colocar este país em um caminho infinitamente diferente”, afirmou o democrata em Wilmington.

Embora muitos votos tenham sido enviados por correio, tanto Biden como Trump optaram por comparecer pessoalmente aos centros de votação: o presidente fez o mesmo no sábado passado, na Flórida, seu estado oficial de residência.

Após votar, Biden falou rapidamente com a imprensa sobre os saques a comércios ocorridos na Filadélfia, no estado da Pennsylvania, durante os protestos de terça-feira, motivados pela morte de um jovem negro às mãos da polícia.

“Não há absolutamente nenhuma desculpa para os saques e a violência, embora o protesto seja legítimo”, ressaltou.

LEIA TAMBÉM:

PT denuncia privatização do SUS em plena pandemia

Caso Flordelis: Câmara instaura processo que pode levar à cassação da deputada

Eleições 2020: Gleisi recomenda voto em candidato ‘anti-Lava Jato’ em Curitiba

No discurso sobre a pandemia, o candidato democrata advertiu que, se Trump ganhar as eleições e enfraquecer a reforma da saúde de 2010 com a ajuda da Suprema Corte, acabará a obrigação para que a vacina contra a Covid-19 seja gratuita para os americanos com seguro médico.

“Mesmo que eu ganhe, teremos muito trabalho para acabar com esta pandemia. Não estou fazendo uma falsa promessa de que posso acabar com esta pandemia como se apertasse um botão. Mas começarei, desde o primeiro dia, tomando as decisões corretas. Deixaremos que a ciência nos guie”, declarou Biden.

A polarização política e a tensão provocada pela repressão policial contra a comunidade negra marcam o processo eleitoral em curso nos Estados Unidos.

*Com agências internacionais