Eduardo Bolsonaro entra na campanha de Trump e usa a Câmara dos Deputados

A família Bolsonaro está de corpo e alma na campanha pela reeleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos. Nesta quarta-feira, o presidente Bolsonaro publicou uma nota em suas redes sociais criticando Joe Biden.

E, também ontem, o deputado Eduardo Bolsonaro usou sua posição de presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara dos Deputados para atacar o candidato democrata.

A bronca do clã Bolsonaro veio da fala de Joe Biden oferecendo recursos para proteção da Amazônia e criticando a devastação.

Leia a nota publicada no Portal da Câmara dos Deputados:

Presidente da CREDN refuta declarações de Joe Biden

O presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara dos Deputados, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL/SP), refuta e condena, veementemente, as palavras do candidato Joe Biden, no primeiro debate entre candidatos à Presidência dos Estados Unidos da América, realizado na noite de 29 de setembro de 2020.

Segundo o presidente da CREDN, Joe Biden comprovou falta de estatura intelectual e política ao cargo que almeja. A ameaça ao Brasil e ao povo brasileiro significa grave interferência na soberania nacional, afrontando, inclusive, as Cartas da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Ainda de acordo com o deputado Eduardo Bolsonaro, Biden comprovou seu desconhecimento e sua ignorância sobre a realidade brasileira ao afirmar que “a Floresta Amazônica no Brasil está sendo destruída, arrancada”. Um candidato a mandatário da maior potência mundial deveria ser prudente e evitar declarações levianas e irrefletidas acerca de país amigo e parceiro. Afinal, Brasil e EUA compartilham histórico de “aliança não escrita”, com base no pragmatismo e na cooperação benéfica entre os dois povos.

Eduardo também compartilha sua preferência nas redes sociais:

O peso do apoio do clã bolsonarista para Donald Trump é difícil de medir. Pode atrair mais votos da extrema-direita e afastar eleitores que se preocupam com o meio ambiente.

Mas, enquanto autoridades da Presidência e da Câmara, eles deveria manter uma distância saudável dessa disputa. Só que a palavra “saudável” não entra no dicionário bolsonarista.

Bolsonaro entra no debate contra o candidato Joe Biden dos EUA

Trump e Biden debatem pela primeira vez nas eleições 2020.

O presidente Bolsonaro publicou um texto rebatendo o candidato à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, que fez críticas contra o Brasil pela devastação da Amazônia.

Bolsonaro disse que o presidente do Brasil (ele) não aceita suborno(!) e que a nossa soberania é inegociável.

Leia o que escreveu Bolsonaro:

“- O candidato à presidência dos EUA, Joe Biden, disse ontem que poderia nos pagar U$ 20 bilhões para pararmos de “destruir” a Amazônia ou nos imporia sérias restrições econômicas.

– O que alguns ainda não entenderam é que o Brasil mudou. Hoje, seu Presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças. NOSSA SOBERANIA É INEGOCIÁVEL.

– Meu governo está realizando ações sem precedentes para proteger a Amazônia. Cooperação dos EUA é bem-vinda, inclusive para projetos de investimento sustentável que criem emprego digno para a população amazônica, tal como tenho conversado com o Presidente Trump.

– A cobiça de alguns países sobre a Amazônia é uma realidade. Contudo, a externação por alguém que disputa o comando de seu país sinaliza claramente abrir mão de uma convivência cordial e profícua.

– Custo entender, como chefe de Estado que reabriu plenamente a sua diplomacia com os Estados Unidos, depois de décadas de governos hostis, tão desastrosa e gratuita declaração.

– Lamentável, Sr. Joe Biden, sob todos os aspectos, lamentável.”

Abaixo a postagem de Bolsonaro;  que, inclusive, traduziu o texto para inglês…

Bolsonaro disse que não aceita suborno e que a soberania é inegociável, o que em parte é verdade. A nossa soberania está sendo queimada e entregue gratuitamente ao capital internacional.

Se a preocupação de Biden é mesmo com o Meio Ambiente é difícil dizer, mas seu discurso vai de encontro aos milhões de pessoas que temem pelo futuro da humanidade.

LEIA TAMBÉM

Ex-garimpeiro, Bolsonaro prepara liberação da mineração em terras indígenas

Considerada “gripezinha” por Bolsonaro, covid-19 já matou mais de 1 milhão de pessoas no mundo

“E daí?” e “gripezinha” voltam ao vocabulário de Bolsonaro após discurso na ONU

Compartilhe agora