Dilma sobre veto de Bolsonaro à vacina chinesa: ‘Será responsável pelas mortes que vierem a ocorrer’

Compartilhe agora

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) usou Twitter nesta quarta-feira (21) para criticar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por ele ter vetado a vacina chinesa CoronaVac contra a Covid-19.

“É Bolsonaro que tem feito o povo de cobaia, ao incentivar o uso de remédio inócuo [Cloroquina] contra a Covid19 e perigoso pelos efeitos colaterais. Agora, atenta contra o conhecimento e a civilização, ao anunciar que vai vetar o uso da primeira vacina disponível contra a doença”, afirmou Dilma na rede social.

“Por ignorância e fanatismo ideológico, Bolsonaro ameaça a vida da população brasileira. Interditando o uso de uma vacina, será responsável pelas mortes que vierem a ocorrer pela falta de prevenção. Terá de ser julgado por isso”, completou a ex-presidente.

Nesta quarta-feira, Bolsonaro desautorizou o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, que ontem (20) anunciou a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa.

LEIA TAMBÉM
URGENTE: Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford-AstraZeneca

Joice Hasselmann dispara: “Bolsonaro é um babaca brincando com a vida do povo”

Hadadd: ‘Bolsonaro desautoriza a única atitude sensata do ignorante que nomeou para ministro da saúde’

[Vídeo] Senadores pressionam Bolsonaro pela compra da vacina chinesa

Eduardo Pazuello, do ‘quartel’ da Saúde, está com Covid-19

Em postagens em suas redes sociais, o chefe do Executivo falou em “traição” e negou a compra da vacina após ser questionado por seguidores. Segundo ele, antes de ser disponibilizada à população a imunização deverá ter sua eficácia comprovada cientificamente.

“O povo não será cobaia de ninguém”, disse Bolsonaro, acrescentando que não se justifica “um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem”.

A vacina CoronaVac está sendo desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo. O imunizante está na fase 3 de testes em humanos e no Brasil participam 13 mil voluntários.