Desemprego e fome podem derrotar aliados de Bolsonaro em 2020

O presidente Jair Bolsonaro tem sofrido à beça com seus aliados nas capitais, que patinam nas pesquisas de intenção de votos. Os candidatos bolsonaristas às prefeituras estão evitando nacionalizar o debate nos municípios, mas, mesmo assim, eles continuam em baixa.

Os maiores inimigos dos candidatos de Bolsonaro nas capitais são a fome e o desemprego, que aumentaram muito desde 1º de janeiro de 2019 –posse do atual mandatário.

O IBGE divulgou nesta sexta-feira (30) que o Brasil chegou ao menor contingente de população ocupada e o maior de população fora da força de trabalho já registrados na história.

Por outro lado, a fome chega a 10,3 milhões de pessoas – 7,7 milhões na área urbana e 2,6 milhões na rural enquanto o Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA) caiu 95% nos últimos anos.

É nesse cenário de fome, miséria e desemprego que os aliados de Bolsonaro podem ser derrotados no próximo dia 15 de novembro.

O Blog do Esmael, a título de amostragem, registrou nesta quinta (29) que os candidatos do presidente sequer chegaram ao segundo turno em Belo Horizonte, Porto Alegre e Recife. Também sofrem no Rio e São Paulo.

Leia mais sobre desemprego e economia

Folha temia dólar a R$ 4 com vitória de Lula em 2018; moeda americana é negociada hoje a R$ 5,80

Nunca antes na história deste país houve tantos desocupados, diz IBGE

Fila por comida em SP é o retrato do governo da fome de Bolsonaro

Compartilhe agora