Collor é alvo de operação da PF que investiga esquema de corrupção em licenças ambientais no Paraná

Compartilhe agora

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (21) a Operação O Quinto Ato, que investiga esquema de corrupção na liberação de licença ambiental para a instalação do Porto Pontal Paraná, terminal portuário privado localizado no município Pontal do Paraná (PR). De acordo com a PF, o esquema ocorreu entre os anos de 2014 e 2015, com o “pagamento de vantagens indevidas para fins de intervenção junto ao Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis]”.

Um dos alvos é o senador Fernando Collor (PROS-AL). A investigação é um desdobramento da Operação Politeia, deflagrada pela PF em 2015. Na ocasião, os policiais identificaram que bens de luxo pertencentes a Collor teriam sido pagos por empresários interessados em sua atuação política em órgãos federais. Também há indícios de pagamentos em espécie.

A operação foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Foram expedidos 12 mandados de busca e apreensão e determinado o bloqueio de valores financeiros. As ações acontecem nas cidades de Curitiba (PR), Pontal do Paraná (PR), Gaspar (SC) e São Paulo (SP).

O nome da operação, O Quinto Ato, é uma referência ao rastreamento financeiro feito pela PF a partir do pagamento da quinta parcela de um jato executivo adquirido pelo parlamentar. Collor ainda não se manifestou sobre a operação.

LEIA TAMBÉM
Tem senador com dinheiro na bunda e agora tem candidato “Cagado”

Negros têm sete vezes mais risco de serem baleados pela polícia, aponta pesquisa

Hadadd: ‘Bolsonaro desautoriza a única atitude sensata do ignorante que nomeou para ministro da saúde’

O dono do futuro Porto Pontal Paraná é o empresário João Carlos Ribeiro, que neste ano disputa a Prefeitura de Pontal do Paraná pelo PSL. Ele é o candidato a prefeito mais rico do Brasil, com patrimônio de R$ 1,55 bilhão declarado à Justiça Eleitoral.

Com informações da Agência Brasil