A derrota eleitoral de Trump nos EUA também seria uma derrota eleitoral de Bolsonaro no Brasil

Para quem quiser conhecer como surgiu Donald Trump na política eu recomendo fortemente o filme “Trump: Um Sonho Americano”, disponível no Netflix.

O documentário chama a atenção porque Trump vive um momento de queda e a série mostra como foi a ascensão do presidente americano.

O filme não economiza adjetivo para definir o estilo de Trump na política e nos negócios: “vigarista”.

De acordo com a película independente, produzida por David Glover e Mark Raphael, não há interesse pela nação, discussão política ou ideológica. Por trás do poder de Trump só há vigarices e negócios mal explicados.

Uma mosca pousa na cabeça do vice de Trump e inseto vence o debate nos EUA

Editorial do New York Times defende voto em Biden contra Trump

Robert De Niro sugere a “dança do caixão” para o presidente Donald Trump

Jair Bolsonaro, seu colega brasileiro, surgiu como uma cópia do método do americano. Claro, uma cópia das práticas mais horrendas possíveis.

Segundo todas as pesquisas de opinião, a vigarice de Donald Trump será derrotada na eleição presidencial de 3 de outubro. O democrata Joe Biden ampliou ainda mais a dianteira para ocupar a Casa Branca e pôr fim à porralouquice do republicano.

A derrota de Donald Trump daqui a pouco mais de três semanas também representará um forte revés político para Jair Bolsonaro, que se posicionou no ringue global de forma subserviente.

O inquilino do Palácio do Planalto, a exemplo de seu amado americano, pode ter que interromper o “sonho brasileiro” devido ao isolamento político na esfera mundial e as vigarices, que são bastante parecidas.

A confirmação da derrota de Trump, nos EUA, seria uma forte inspiração para a oposição derrotar Bolsonaro na eleição de 2022.

Para o leitor entender a derrota de Trump –e imaginar a possível queda de Bolsonaro em 2022– é recomendável assistir esse filme. “Cinco estrelas”, portanto.