98,5% no Twitter contra a privatização do SUS explicam o recuo do presidente Bolsonaro

O Twitter registrou incríveis 98,5% de reações contrárias à proposta do presidente Jair Bolsonaro de privatizar o Sistema Único de Saúde (SUS). Esse massacre na rede social explica o súbito recuo do presidente, que, por meio de nota, anunciou a revogação do decreto autorizando estudos de concessão do serviço de saúde à iniciativa privada.

Bolsonaro enfrentou nesta quarta-feira (28) a pior crise de imagem desde o início do governo, em janeiro de 2019, com a repercussão negativa de hoje no Twitter.

A consultoria Arquimedes indica que 98,5% das menções feitas no Twitter, sobre a privatização do SUS, foram desfavoráveis ao decreto que o presidente Jair Bolsonaro.

Até às 16h30 desta quarta, numa base de 150 mil menções analisadas, 98,5% mensagens eram negativas em relação à proposta de privatização e apenas 1,5% das publicações mostravam-se favoráveis à concessão do SUS para a iniciativa privada.

De acordo com a Arquimedes, a hashtag #DefendaOSUS permaneceu durante todo o dia no topo dos assuntos mais comentados no Twitter.

A reação negativa à privatização do SUS foi superior às reações acerca da falha nas correções das provas do ENEM, em janeiro deste ano, quando 90% das menções no Twitter eram contrárias ao governo federal.

O cantor e compositor Emicida, segundo o estudo, teve 100 mil retuítes da sua mensagem “O SUS salva vidas. Ele não”.

Entre o 1,5% favorável à privatização do SUS, a consultoria Arquimedes identificou os seguintes “influenciadores” digitais: Gazeta do Povo (Curitiba), InfoMoney (Banco Itaú), Terça Livre (Allan Santos) e movimento liberal Livres. [Que Deus os tenha todos!]

Como ele é guiado pelos algoritmos das redes sociais, Jair Bolsonaro afrouxou geral após o massacre de 98,5%.

Leia mais sobre a privatização do SUS

Bolsonaro revoga decreto sobre privatização do SUS

Bozo reage a pedido de impeachment com bloqueios no Twitter

Gleisi Hoffmann: “Não permitiremos a privatização do SUS”

PT denuncia privatização do SUS em plena pandemia

Recado do Lula sobre o SUS: “é um patrimônio a serviço do povo brasileiro e não pode ser privatizado”

Privatização do SUS é vedada pela Constituição porque Saúde é um direito humano fundamental

Bolsonaro e Guedes começam a privatizar o SUS no meio da pandemia

Compartilhe agora