Trump é recebido com vaias no funeral da juíza Ruth Ginsburg

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi recebido com vaias e protestos nesta quinta-feira (24) por uma multidão reunida em frente à Suprema Corte americana, em Washington, onde acontece o funeral da juíza Ruth Bader Ginsburg.

O republicano, que usava máscara protetiva contra o novo coronavírus – uma atitude rara -, chegou ao local acompanhado da primeira-dama, Melania Trump, e foi vaiado pelos manifestantes quando se aproximava do caixão coberto pela bandeira dos EUA.

“Vote contra ele” e “expulse-o com o voto” foram algumas das frases entoadas pela multidão. O presidente, no entanto, permaneceu em silêncio.

Na sequência, muitos dos presentes na cerimônia também gritaram “respeite sua vontade”, em referência ao desejo de Ginsburg de prosseguir com a nomeação de um novo juiz após a eleição presidencial de 3 de novembro e depois da posse do vencedor e do novo Congresso.

Segundo Trump, a escolha do novo magistrado será anunciada no próximo sábado (26).

Esta quinta é o segundo de um total de três dias de tributo em homenagem à juíza, considerada ícone na luta pela igualdade de gênero no país que morreu no último dia 18 de setembro, aos 87 anos, em meio à batalha contra um câncer de pâncreas.

Ginsburg foi a segunda mulher a integrar o tribunal máximo da Justiça americana e havia sido nomeada pelo então presidente Bill Clinton, em 1993, com um recorde de votos no Senado.

*Da Ansa

LEIA TAMBÉM:

“E daí?” e “gripezinha” voltam ao vocabulário de Bolsonaro após discurso na ONU

Bolsonaro “admite” que mentiu na ONU sobre auxílio de mil dólares

TRE do Rio, por unanimidade, confirma Crivella inelegível até 2026

Justiça do Equador ordena ‘prisão imediata’ do ex-presidente Rafael Correa

A Justiça do Equador ordenou nesta quarta-feira (24) a captura do ex-presidente Rafael Correa, que vive na Bélgica, após confirmar a condenação do mesmo a oito anos de prisão por ausação de corrupção, anunciou o tribunal que ditou a sentença.

A resolução judicial determina a execução da decisão, confirmada em última instância há duas semanas e que inclui a desqualificação vitalícia de Correa para desempenhar cargos de eleição popular, no momento em que o ex-presidente deseja participar das eleições de fevereiro de 2021.

Correa, que governou entre 2007 e 2017 e solicitou pela internet ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) a inscrição de sua candidatura à vice-presidência, foi condenado por suborno. O ente ente eleitoral deverá qualificar posteriormente a candidatura por uma frente de esquerda, em chapa com o jovem economista Andrés Arauz, ex-ministro de Correa.

Processado à revelia, a Justiça estabeleceu que Correa e ex-colaboradores também condenados receberam propina em troca de contratos com empresas.

A Justiça ordenou à polícia a “localização imediata e captura” do ex-presidente de esquerda. Também determinou que o Ministério das Finanças suspenda a remuneração vitalícia de 4,2 mil dólares mensais que Correa recebia como ex-presidente, que perde ao ser condenado por corrupção.

A decisão judicial também comunica ao CNE a perda dos direitos políticos do ex-presidente, que, segundo a Constituição, fica inabilitado a desempenhar funções políticas.

O caso lembra a perseguição judicial movida contra o ex-presidente Lula, também chamado de lawfare.

*Com informações de agências internacionais

Compartilhe agora