Russos continuam liderando corrida pela vacina contra a covid-19

Além de vários estados brasileiros, a exemplo do Paraná e da Bahia, americanos e europeus também manifestam interesse de fabricar a vacina Sputnik V.

Com nome de “foguete”, os russos continuam liderando a corrida pelo suprimento da primeira vacina registrada contra a covid-19 no mundo.

A Rússia anunciou o envio de pelo menos 100 milhões de doses da vacina Sputnik V, contra a covid-19, para a América Latina. Para o Brasil, estão previstas, atualmente, 50 milhões de doses. Após a parceria firmada com o Paraná, o Fundo Russo de Investimentos Diretos anunciou, nesta sexta-feira (11), um acordo com a Bahia.

Além de Bahia e Paraná, ao menos outros cinco estados brasileiros estão prestes a encomendar lotes da Sputnik V.

De acordo com os russos, até o governo de Jair Bolsonaro abriu negociação com Moscou após o fracasso da vacina britânica desenvolvida pela Universidade de Oxford.

130 mil mortes por covid-19 no Brasil

O presidente Jair Bolsonaro minimiza as quase 130 mil mortes por convid-19 desde o início da pandemia no Brasil.

Segundo o presidente, o país “está vencendo a pandemia” com auxílio emergencial e crédito para empresas, bem como com investimentos nos estados e municípios.

“Estamos praticamente vencendo a pandemia, o governo fez tudo para que os efeitos negativos da mesma fossem minimizados. Quer seja com auxilio emergencial, que atingiu 65 milhões de pessoas, quer seja auxílio a micro e pequenas empresas, com crédito. Ou seja, investindo também massivamente meios e recursos para que governadores e prefeitos não faltassem na saúde para atender os infectados”, afirmou Bolsonaro.

Entretanto, Bolsonaro reduziu o auxílio emergencial de R$ 600 para R$ 300 e os preços dos alimentos dispararam nos supermercados. O arroz e o feijão são exemplos de descontrole na oferta e demanda dos alimentos, que não têm estoque regulador.

LEIA TAMBÉM

  • Bahia contrata 50 milhões de doses da vacina russa contra a Covid-19
  • URGENTE: Russos anunciam 100 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 para a América Latina
  • Boris Johnson proíbe reuniões com mais de seis pessoas na Inglaterra para conter a Covid-19
  • Testes da vacina da AstraZeneca contra Covid-19 são suspensos
  • Professores podem deflagrar greve a partir deste sábado no Paraná

    Educadores de 2,1 mil escolas da rede pública do estado do Paraná podem aprovar neste sábado (12), em assembleia geral online, início de greve geral da categoria contra a volta às aulas durante a pandemia do novo coronavírus.

    Na última terça-feira (7), em entrevista ao Blog do Esmael, Professor Paixão, diretor da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) adiantou que professores e funcionários de escola só retornarão às salas de aula depois da vacinação contra a covid-19.

    A assembleia estadual online da APP-Sindicato teve início no último sábado (5), mas foi suspensa devido a problemas técnicos. A reunião será retomada amanhã, a partir das 8h30. Um dos principais pontos da pauta é a deliberação de greve, caso o governo do Paraná decida pelo retorno das aulas presenciais durante a pandemia do novo coronavírus.

    O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), segundo educadores, tem sinalizado com o retorno das aulas em breve, o que apavora o magistério paranaense formado por ceca de 100 mil profissionais.

    “A volta às aulas presenciais colocaria em risco as crianças, os idosos e mais 100 mil de educadores no Paraná”, estimou Professor Paixão, da CNTE. “Não vai ter volta às aulas presenciais, antes da vacina”, disse.

    Segundo os educadores do Paraná, se aprovada, a greve será a favor da vida.

    De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o estado do Paraná possui cerca de 2,1 milhões alunos matriculados na rede pública estadual.

    Os professores e funcionários de escola da rede estadual e das redes municipais filiadas também darão encaminhamentos para reivindicações relacionadas com as condições de trabalho e direitos dos servidores públicos.

    É a primeira vez que a APP-Sindicato realiza uma assembleia da categoria através da internet. A direção estadual do Sindicato deliberou pela organização da atividade desta forma para assegurar que as discussões aconteçam sem oferecer riscos aos educadores, considerando as normas de prevenção contra a Covid-19, que impedem a aglomeração de pessoas.

    Para participar, os professores funcionários de escola precisam realizar um cadastro no endereço appsindicato.org.br/assembleia. Após esse procedimento, eles receberão uma mensagem de e-mail com o link de acesso ao ambiente virtual, criado na plataforma Zoom, onde acontecerão todos os debates e votações.

    A assembleia começou no sábado passado, mas precisou ser suspensa devido a problemas com a transmissão de vídeo pela internet. A decisão foi tomada para permitir ajustes técnicos e restabelecer as melhores condições possíveis para a participação de todos.