PSOL pede investigação contra Mário Frias após ataque a Marcelo Adnet

Compartilhe agora

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados entrou com uma representação no Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-ator e atual Secretário Especial de Cultura, Mário Frias, que utilizou a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) para atacar uma sátira do comediante Marcelo Adnet a uma campanha estrelada pelo integrante do governo Bolsonaro. Após ter seu comportamento criticado nas redes sociais pelo deputado estadual do Rio de Janeiro Flávio Serafini, do PSOL, Frias o ameaçou.

Os deputados do PSOL também solicitaram que a investigação envolva o Ministro da Comunicação Fábio Faria, e o chefe da Secom, Fabio Wajngarten. As denúncias são pelo crime de improbidade administrativa.

LEIA TAMBÉM
Papa Francisco diz que prazer de comer e de fazer sexo é ‘simplesmente divino’

Greenpeace denuncia “cumplicidade da França” em incêndios na Amazônia

PF cumpre 25 mandados de busca e apreensão na 74ª fase da Operação Lava Jato

Fux toma posse nesta quinta-feira como presidente do STF

“Infelizmente, não é a primeira vez que a página da Secom nas redes sociais realiza tal tipo de expediente. A Secom é um órgão de governo, com a finalidade de demonstrar as ações políticas do Governo Federal, não de perseguir adversários políticos ou propagar atos eivados de ilegalidade”, diz um dos trechos da representação protocolada nesta quarta-feira (9).

“É vergonhoso o papel que o ex-ator Mario Frias cumpre como secretário de cultura. Além de reafirmar a incompetência do governo na área, Frias também faz jus ao autoritarismo e à ignorância bolsonarista. Sairá do cargo ainda menor do que entrou”, disparou a líder da Bancada do PSOL na Câmara, Sâmia Bomfim.

A informação é do PSOL.