PDT aciona STF para que Bolsonaro explique declarações dadas à ONU

O PDT ingressou com uma Interpelação Judicial no Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta-feira (23), contra o presidente Jair Bolsonaro, pedindo que o chefe do Executivo explique, em juízo, se houve equívoco nas alegações feitas em seu discurso proferido na última segunda-feira (21), na 75ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (AGNU), que acontece em Nova York (EUA).

Em suas declarações, reverberadas pela ONU, Bolsonaro disse que as denúncias referentes às queimadas no Pantanal e na Floresta Amazônica são fruto de campanha de desinformação praticada pela imprensa nacional e atribuiu aos povos indígenas a responsabilidade pelos incêndios na Amazônia, que seriam provocados para a sua subsistência, além de afirmar que as queimadas no Pantanal teriam origem em causas naturais, como os fatores climáticos.

LEIA TAMBÉM
Bolsonarista “Aos Fatos” entra em desespero com discurso de Lula

Dilma Rousseff: “As 12 falsificações do discurso de Bolsonaro na ONU”

Lula publica discurso que Bolsonaro deveria ter feito na ONU; confira a íntegra

Revista Time coloca Bolsonaro entre os 100 mais influentes do mundo e o responsabiliza por mortos na pandemia e crise ambiental

ONU convida Lula para discursar, após fiasco de Bolsonaro

Entre os esclarecimentos requeridos pelo PDT na Interpelação, o partido solicita que Bolsonaro informe a fonte que subsidiou tais afirmações e as comprove, incluindo os estudos que respaldem seus argumentos quanto às causas naturais das queimadas no Pantanal. O PDT também questiona se o presidente, estando ele convencido da culpa dos povos indígenas pelas queimadas, tomou alguma medida investigativa “para deslindar os fatos e punir indígenas e caboclos que estejam realizando queimadas”, bem como que apresente as possíveis provas concretas e foram obtidas.

Desmatamento X povos indígenas
Na interpelação, o PDT ressalta que as queimadas na Floresta Amazônica, somente no mês de julho deste ano, teve um aumento “exorbitante” de de 28%, o pior dado desde 2017. E que, em 2020, a Floresta Amazônica teve 6.803 focos de incêndio que, segundo o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), fazem parte de um saldo do aumento do desmatamento ocorrido em 2019, até então o maior da história.

O partido também argumenta que, quanto à responsabilização dos povos indígenas pelo desmatamento, “dados de satélites monitorados pela Nasa registraram que, em 2020, 54% dos focos de queimadas na Amazônia foram originados pelo desmatamento, ao passo em que pequenas queimadas para limpeza de pastagem totalizam apenas 12,81%. Além do que, apenas 7% das queimadas no ano passado foram em terras indígenas”.

Nesse sentido, no entendimento do PDT, é importante frisar que, pelo fato de as populações indígenas, caboclos e ribeirinhos fazem roçado em áreas de 20 x 20 metros, e que os incêndios alcançam 200 km², sendo portanto, incoerente “vincular os pequenos agricultores e ribeirinhos aos grandes incêndios ocorridos”, fatos que, somados, tornam o discurso de Bolsonaro inconsistentes.

Coronavírus
No documento, o PDT chama a atenção da Suprema Corte para o fato de que, em conjunto com a Abin e outros partidos, o partido entrou com uma Ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 709/2020), pedindo a adoção de “providências voltadas ao equacionamento de graves lesões a preceitos fundamentais à Constituição, relacionadas às falhas e omissões no combate à epidemia do novo coronavírus entre os povos indígenas brasileiros, demonstrando a atuação do partido na proteção de todas as minorias, nos termos de seu estatuto”.

Confira a íntegra da Interpelação do PDT junto ao STF no link abaixo:

Interpelação-do-PDT-contra-o-presidente-Jair-Bolsonaro-setembro-de-2020

Da liderança do PDT na Câmara

Compartilhe agora