Paraná se levanta contra modelo de pedágio do governo federal

O governo federal poderá encontrar forte resistência dos paranaenses ao modelo de pedágio híbrido que propõe, arbitrariamente, às rodovias concessionadas no estado.

O modelo de outorga escolhido pelo governo do presidente Jair Bolsonaro é aquela cuja concessão é feita a quem oferece a maior oferta para o Governo, o maior lance, quando deveria ser o lance pela menor tarifa.

O Paraná tem a tarifa de pedágio mais cara do mundo, após a lambança da Lava Jato. No ano passado, a força-tarefa fez acordo de leniência que com as pedageiras denunciadas como nocivas à economia popular paranaense.

O deputado Arilson Chiorato, que é presidente do PT do Paraná, disse que não houve consulta popular ou diálogo com os paranaenses para descobrir se estes aceitam novos pedágios, é uma decisão arbitrária.

“Isso acontece no momento que discutimos o encerramento dos atuais contratos e um novo Pedágio no Paraná”, protestou o petista.

Para Chiorato, a sociedade paranaense não pode aceitar novamente um modelo de pedágio que não tenha como prioridade a tarifa a preço baixo.

“A opção escolhida por Bolsonaro, é pelo modelo de outorga, dessa forma, a concessão é feita a quem oferece a maior oferta para o governo, o maior lance, quando deveria ser o lance pela menor tarifa”, denunciou o parlamentar e dirigente do PT.

Arilson Chiorato é o coordenador da Frente Parlamentar do Pedágio, que conta com deputados de diferentes partidos, unidos, contra os abusos do pedágio.

“Governador Ratinho, esperamos que use de sua influência com o governo federal para defender o povo paranaense dessa decisão absurda”, cobrou o deputado.

No início desta semana, o Blog do Esmael entrevistou o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB). Ele discorreu sobre o modelo híbrido na concessão federal do pedágio e sobre o aumento na tarifa em virtude do acordo de leniência da Lava Jato e com as concessionárias.

Rafael Greca usa a pandemia para não participar do 1º debate em Curitiba; assista

A TV Globo faz escola na capital paranaense.

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), publicou vídeo nas redes sociais informando que não irá participar do primeiro debate realizado pela Band TV (Bandeirantes) programado para 1º de outubro.

Segundo Greca, que tentará a reeleição, sua desistência do debate tem a ver com orientações técnicas e médica e porque “o ambiente [estúdio da TV Bandeirantes] não proporcionará todos protocolos sanitários recomendados e tão amplamente pedidos por mim a todos vocês curitibanos.”

Na última terça-feira (22), a Rede Globo emitiu nota limitando em 4 candidatos em cada debate e anunciou o cancelamento de entrevistas nos estúdios da emissora no primeiro turno das eleições 2020.

A Globo também sugeriu que as eleições de novembro estão sob risco por causa da pandemia.

Abaixo, leia a nota emitida pelo prefeito Rafael Greca:

“Quero dizer a todos que não participarei do primeiro debate na TV, o da Band. Tomei essa decisão com muito pesar, pois debater ideias é o meu forte e me motiva a trabalhar mais e melhor. Mas foi preciso, visto que mesmo com todas as orientações do nosso comitê de técnica e ética médica, o ambiente não proporcionará todos protocolos sanitários recomendados e tão amplamente pedidos por mim a todos vocês curitibanos. Estarei com vocês conversando aqui nas minhas redes, fiquem ligados para que possamos manter este diálogo direto.”

O candidato do MDB, João Arruda, criticou a ausência de Greca no debate.

“O candidato à reeleição Greca não vai ao debate da Band. Sem sordidez, não sei qual é o medo. Greca, vamos discutir Curitiba, políticas de inclusão de pessoas com deficiência, veículos de plataforma baixa, integração real de espaços de esportes e verdes nos bairros. Vá tranquilo”, recomendou o sobrinho do ex-senador Roberto Requião (MDB-PR).

Segundo Arruda, que é genro do proprietário da Band Curitiba, a emissora tem que garantir a proteção dos candidatos.

“Mas nós temos que representar os projetos de cidade. Da minha parte, não haverá agressão, e é o que espero do encontro. Deve ser a mentalidade de todos os participantes”, prometeu o candidato emedebista.

De acordo com a Paraná Pesquisas, Greca lidera as intenções de voto na disputa pela Prefeitura de Curitiba. O atual prefeito luta para resolver a reeleição já no primeiro turno, por isso, suspeitam seus adversários, a fuga do debate seria apenas uma estratégia para não se expor e comprometer a vantagem.

Assista ao vídeo de Rafael Greca:

Compartilhe agora