Papa Francisco discursa na ONU e alerta para crise ambiental na Amazônia

O Papa Francisco realizou seu discurso como Chefe de Estado do Vaticano nesta sexta-feira (25) na plenária virtual da Organização das Nações Unidas (ONU). Em seu pronunciamento, com cerca de meia hora de duração, o pontífice pontuou a importância do combate à desigualdade social e expressou preocupação com a “situação perigosa” da Amazônia.

Ao falar da crise social, o pontífice disse que “pensa na situação perigosa na Amazônia e suas populações indígenas”. “Eles nos lembram que a crise ambiental está intimamente ligada a uma crise social e que o cuidado com o meio ambiente exige uma aproximação integrada para combater a pobreza e a destruição”, afirmou.

Por conta do novo coronavírus, grande parte dos discursos feitos no evento foram gravados previamente em vídeo.

*Com informações da Ansa

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro passa por cirurgia e apresenta quadro estável, diz boletim médico

Paraná se levanta contra modelo de pedágio do governo federal

Eleições 2020: Porto Alegre terá o primeiro debate eleitoral em formato drive-in

Ataque com arma branca deixa quatro feridos em Paris, dois em estado grave

Um ataque com arma branca deixou quatro pessoas feridas na manhã desta sexta-feira (25) em Paris, a cerca de 100 metros das antigas instalações do jornal satírico Charlie Hebdo, no 11° distrito da capital, nas proximidades da praça da Bastilha. Dois feridos encontram-se em estado grave. Dois suspeitos estão foragidos e são procurados pela polícia.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, anunciou a criação de uma célula de emergência na sede do Ministério do Interior. Região está bloqueada pela polícia. Alunos de cinco escolas foram confinados.

Esse ataque ocorre no momento em que a França julga 11 acusados de cumplicidade no atentado que dizimou a redação de semanário satírico em 7 de janeiro de 2015, matando 12 pessoas, incluindo os principais cartunistas da publicação e policiais.

Na semana passada, em virtude do processo, a redação de Charlie publicou novas caricaturas do profeta Maomé, que estiveram na origem do atentado contra a redação. O presidente Emmanuel Macron defendeu a liberdade de imprensa e o direito de blasfemar.

A Al Qaeda, que reivindicou os ataques de 2015, prometeu novos ataques contra a redação do jornal satírico.

*As informações são da RFI

Compartilhe agora