Luciano Hang, dono da Havan, entra na lista ‘top 10 Brasil’ da revista Forbes

O empresário bolsonarista Luciano Hang, dono da cadeia de lojas Havan, integra a lista dos dez maiores bilionários do Brasil divulgada pela revista Forbes nesta semana.

A lista da Forbes Brasil deste ano traz 238 nomes, com fortunas originadas a partir de empreendimentos nos setores de bens de consumo, seguros, infraestrutura e logística, farmácias, aviação e transporte, educação e tecnologia, entre outros. São 33 nomes a mais em relação ao ranking do ano passado.

A lista das maiores fortunas do Brasil, levantada pela revista Forbes, teve uma mudança na liderança este ano. O banqueiro Joseph Safra, com uma fortuna estimada em R$ 119 bilhões, tirou do primeiro lugar o empresário Jorge Paulo Lemann, sócio da ABInbev e da 3G Capital, com patrimônio de R$ 91 bilhões.

Outra novidade é o empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, que entrou no chamado ‘top 10’. Ele pulou da 36ª posição na lista do ano passado para a 10ª em 2020, com um patrimônio que chega a R$ 18,7 bilhões.

Esse aumento no número de bilionários teve um impulso da fabricante de motores Weg. São 10 novos bilionários ligados à empresa – os estreantes na lista herdaram participações acionárias deixadas pelos fundadores da empresa Werner Ricardo Voigt, Eggon João da Silva e Geraldo Werninghaus. Também estreia na lista o investidor Alexandre Behring, apontado como o sexto mais rico do País, com fortuna de R$ 34 bilhões. Behring também é sócio da 3G Capital e presidente do conselho de administração da Kraft Heinz.

Outro que estreou diretamente no top 10 da lista é o empresário maranhense Ilson Mateus, presidente e maior acionista do Grupo Mateus, rede varejista com 137 lojas distribuídas no Nordeste. O grupo prevê abrir o capital na Bolsa em outubro, com expectativa de captação de mais de R$ 4 bilhões.

Luiza Trajano é a única mulher a figurar a lista dos 10 mais ricos. O patrimônio da empresária do Magazine Luiza cresceu 181% no último ano, segundo a Forbes. Luiza é agora a mulher mais rica do Brasil, posto que antes era ocupado por Miriam Voigt, da Weg.

Enquanto os bilionários ficam mais ricos, os mais pobres sofrem as agruras da miséria e o massacre promovido pelo governo Bolsonaro.

Veja quem são os dez primeiros colocados nesse ranking:

1º – Joseph Safra (setor financeiro) – Patrimônio: R$ 119 bilhões

2º – Jorge Paulo Lemann (Bebidas e investimentos) – Patrimônio: R$ 91 bilhões

3º- Eduardo Saverin (Investimentos/Internet) – Patrimônio: R$ 68 bilhões

4º – Marcel Telles (Bebidas e investimentos) – Patrimônio: R$ 54 bilhões

5º – Carlos Alberto Sicupira e família (Bebidas e investimentos) – Patrimônio: R$ 42,6 bilhões

6º – Alexandre Behring (Investimentos) – Patrimônio: R$ 34,3 bilhões

7º – André Esteves (Setor financeiro) – Patrimônio: R$ 24,9 bilhões

8º – Luiza Trajano (Varejo) – Patrimônio: R$ 24 bilhões

9º – Ilson Mateus (Varejo) – Patrimônio: R$ 20 bilhões

10º – Luciano Hang (Varejo) – Patrimônio: R$ 18,7 bilhões

*Com informações da Agência Estado

LEIA TAMBÉM:

Centrão entra em pânico com 10 novas fases da Lava Jato

Justiça determina que a deputada Flordelis use tornozeleira eletrônica

Presidente Bolsonaro abandona Joice Hasselmann e abraça Russomanno em SP; assista

Fome volta a rondar 10 milhões de brasileiros, diz IBGE

O IBGE afirma que a fome voltou a atormentar os brasileiros com a crise econômica.

Segundo levantamento do instituto, 25% das pessoas não sabem o que vão comer na próxima refeição.

As pessoas estariam deixando de comer para não virarem sem teto, ou seja, deixam a barriga roncar de fome para sobrar o dinheiro do aluguel.

O IBGE não divulgou números atuais. Trabalhou com dados estruturais coletados entre meados de 2017 a meados de 2018.

Na época, que ainda havia resquícios do pleno emprego dos governos do PT, 5% da população brasileira era afetada pela fome.

O índice da insegurança alimentar havia recuado para 3,6% no ano de 2013, no então governo Dilma Rousseff.

Se o IBGE focar a próxima pesquisa da fome em 2020 encontrará, com certeza, as digitais do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes.

O próprio governo reconhece oficialmente 67,2 milhões de brasileiros que dependem de ajuda emergencial para poderem se alimentar e escapar da fome.

O Brasil tem a maior taxa de desocupados do planeta, segundo a OIT. São 80 milhões de desempregados, metade da população economicamente ativa (PEA) do País.

Há pouco mais de um ano, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a fome no Brasil seria uma “grande mentira”. “Passa-se mal, não come bem. Aí eu concordo. Agora, passar fome, não”, afirmou o presidente na ocasião.

Além de fazer um governo de fake news, de mentiras, Bolsonaro promove ainda a fome, a morte, o ódio entre os brasileiros.

Espere a próxima pesquisa do IBGE para ver o estrago na vidas dos brasileiros.

Compartilhe agora