Justiça liberta hackers que teriam invadido o celular de Sérgio Moro

O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, mandou soltar Walter Delgatti Neto e Thiago Eliezer, acusados de invadir os telefones celulares do ex-juiz Sérgio Moro e dos procuradores da Lava Jato, entre outra autoridades.

O magistrado considerou que manter a prisão de Santos e Delgatti Neto durante toda a instrução criminal acarretaria “inevitável excesso de prazo”. Eles já estão encarcerados há mais de um ano.

Soltos, os dois usarão tornozeleiras eletrônicas, não poderão se falar entre si, nem com testemunhas do caso. Eles também não deve usar a internet ou redes sociais.

LEIA TAMBÉM
Polícia Federal inocenta Glenn Greenwald e Manuela D’Ávila nas invasões de hackers

Delação de hacker inocenta Glenn Greenwald e Manuela D’Ávila

Tic-tac: Vaza Jato já funga no cangote da Globo

Com informações do G1.

[Vídeo] Moro é o “juiz ladrão” no jogo em que Lula é o craque

Em um vídeo publicado pelo ex-presidente Lula no Twitter, o ex-juiz Sérgio Moro é o árbitro de futebol, os procuradores da Lava Jato são bandeirinhas, e Lula é o craque que foi tirado do jogo pelo “juiz ladrão”.

Junto com o vídeo, veio o comentário: “Todo mundo conhece um juiz que largou o apito, vestiu a camisa do time adversário e meteu a mão na bola… Esse roubou o jogo do Brasil.”

Essa história todo mundo conhece e aos poucos vai sendo provada na justiça.

Lula: “Outro Brasil é possível”; assista ao vídeo

O ex-presidente Lula diz que outro Brasil é possível. “Um país com emprego, sem o fantasma da fome e com mais saúde e renda para o povo”, afirma o petista.

Lula lembra que no país de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, onde a desigualdade está crescendo e a miséria se aprofundou, já são quase 150 mil mortos por Covid, e o desemprego e a precarização do trabalho apavoram quase 62 milhões de pessoas.

“A retomada da economia só virá se investirem no povo, que precisa de trabalho e dinheiro no bolso”, diz o ex-presidente. “Este país precisa ter esperança”, completa.

O governo de Jair Bolsonaro está ampliando a miséria e aprofundando a histórica desigualdade no país. Desde o início da pandemia, em março, o desemprego no país cresceu e a precarização do trabalho é galopante. O último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra um quadro trágico no país. Já chega a 61,7 milhões o número de pessoas desempregadas e fora do mercado formal de trabalho no Brasil. Dados da pesquisa Pnad Covid-19, divulgado na semana passada, mostram que dos 83,3 milhões brasileiros ocupados, apenas 43,9 milhões têm emprego formal.

LEIA MAIS SOBRE O PT

Orçamento Participativo, por Enio Verri

PT divulga nota de repúdio à ação da PF contra Guilherme Boulos em SP

Hoje foi um dia ruim para Bolsonaro, segundo o PT

Gleisi: PT vai devolver comida na mesa do povo e reconstruir o Brasil

Atualmente, quase metade da população brasileira, 97,1 milhões de pessoas, não compõem a força de trabalho disponível ao mercado, de acordo com o IBGE. Segundo o IBGE, o país tem 211,8 milhões de habitantes, e nada menos do que 10,3 milhões de brasileiros passam fome. Isso representa 5% da população brasileira. Que futuro o país está construindo para seus cidadãos, se o governo continuar a insistir numa política econômica que arrocha o povo e amplia a desigualdade? O caminho a ser percorrido pelo país precisa ser outro. O Brasil precisa retomar uma política de desenvolvimento, com distribuição de renda e mais Justiça Social.

O país vai mal por responsabilidade direta do presidente da República, que segue submisso à agenda de arrocho fiscal do ministro da Economia, Paulo Guedes. Como aponta o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, desde que o povo deixou de ser o foco dos governos Temer e Bolsonaro, depois do impeachment da presidenta Dilma Rousseff, em 2016, a situação no país só piorou. “Quando o povo tem acesso à renda, quando tem acesso a trabalho, compra mais produtos… O trabalhador, o brasileiro, quando faz isso, dá um salto de qualidade na economia”, explica Lula.

No dia 21, o PT lançou o Plano de de Reconstrução e Transformação do Brasil, com medidas em defesa do trabalho e política de distribuição de renda. Entre as propostas emergenciais lançadas por Lula e os dirigentes do PT, a extensão do auxílio emergencial de R$ 600 enquanto durar a pandemia, mais frentes de emprego e uma política de revalorização do salário mínimo, além da ampliação de 30 milhões de famílias atendidas por uma versão turbinada do Bolsa Família. O projeto do Mais Bolsa Família já foi apresentado pela bancada do PT no Congresso.

Assista ao vídeo com a fala de Lula:

Compartilhe agora