Julgamento da chapa Bolsonaro/Mourão deve ocorrer ‘o quanto antes’, diz novo corregedor-geral do TSE

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo neste domingo (06), o novo corregedor-geral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Felipe Salomão, disse que é preciso prestar contas à sociedade e julgar “o quanto antes” as ações que investigam a campanha de Jair Bolsonaro à Presidência em 2018.

Eleito para comandar a corregedoria-geral da Justiça Eleitoral na última terça-feira (1º), Salomão será o relator dos processos que investigam a chapa Bolsonaro/Mourão por disparos de mensagens em massa via WhatsApp com informações falsas contra adversários eleitorais.

“Estou bastante tranquilo em relação a essas ações. Ali vamos tratar de fatos e provas. Acho que devemos apreciá-las o quanto antes, porque é preciso dar uma resposta da Justiça Eleitoral para aqueles que propuseram a ação, para aqueles que figuram no polo passivo da ação (os investigados) e para a sociedade. Já vamos aí para o segundo ano de mandato do presidente (Bolsonaro), é tempo razoável para a gente dar essa resposta. Não me assombro com essa responsabilidade porque, primeiro, será dividida entre o plenário, com homens bastante experientes e respeitados. Segundo, porque é um dado objetivo: tem prova, cassa. Não tem prova, não cassa, disse o ministro.

LEIA TAMBÉM
“Quem mandou matar Bolsonaro?”

Ao vivo: entrevista com Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, herói da base petista

Evangélicos são os que mais resistem à vacinação contra a covid-19, diz pesquisa do Ibope

Salomão também disse que TSE deve julgar os processos até fim do ano. Segundo ele, a decisão do tribunal será técnica e não política.

“O tribunal é um tribunal técnico, e vai julgar juridicamente, não politicamente. Isso posso te assegurar: não vejo nenhuma possibilidade de nenhum dos julgadores ter viés político, partidário. O julgamento será técnico e com base nas provas”, garantiu.