Jornal Nacional, da Globo, vai denunciar censura dos Bolsonaro

O Jornal Nacional, da Globo, vai descer o chinelo na família Bolsonaro em virtude da censura imposta no caso das “rachadinhas” na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

A emissora dos Marinho está proibida de exibir qualquer documento ou peça do processo contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) relativos à investigação sobre o esquema de “rachadinhas” na Alerj. Decisão é da juíza Cristina Serra Feijo, 33ª Vara Cível do TJ-RJ

De acordo com informações do jornalista Samuel Pancher, o Ministério Público do Rio de Janeiro descobriu mais de 400 depósitos de assessores de Flávio nas contas de Fabrício Queiroz. “O valor atingia milhões de reais”, diz o escriva.

“Fabrício Queiroz fez pagamentos em dinheiro vivo para Flávio Bolsonaro e sua esposa. Até registros de câmeras de segurança provam os pagamentos. O dinheiro, segundo o MP, vinha do esquema de corrupção no gabinete de Flávio”, revelou no Twitter.

Ataques à Adnet

A Secretaria de Comunicação da Presidência da República disparou tuítes hoje atacando o ator e humorista Marcelo Adnet em razão de paródia que menciona o secretário Especial de Cultura, Mário Frias.

“Erramos. Acreditamos que seria possível unir todo o país em torno de bons valores e de bons exemplos. Afinal, ninguém é contra a bondade, o amor ao próximo, o sacrifício por inocentes, certo? Errado! Infelizmente, há quem prefira parodiar o bem e fazer pouco dos brasileiros”, atacou a Secom.

“Começamos a série UM POVO HEROICO dia 3, quando estreamos com um belo vídeo protagonizado pelo secretário de Cultura Mario Frias, que ajudou também com o roteiro e até na produção. Tudo feito em casa, sem custos adicionais, só com o amor e a competência de servidores dedicados”, continuou a Secretaria.

A Secom é um órgão vinculado ao gabinete de Jair Bolsonaro, portanto os disparos contaram com a anuência do presidente da República.

Cuba que não se podia fazer humor?

O melhor dos brasileiros continuam sendo os memes e os tuítes. Nas redes sociais, os internautas não perdoaram e ironizaram Marcelo Tas.

Recentemente, no programa Roda Viva, Tas afirmou que autoridades de Cuba proíbem o humor.

“Então essa é a paródia do @MarceloAdnet que o governo não quer que as pessoas assistam? Poxa, então NÃO vamos compartilhar, né? Ai ai, e eu achava que era em Cuba que não podia tirar sarro do governo…”, lembrou um navegante no Twitter.

“Ai ai, e eu achava que era em Cuba que não podia tirar sarro do governo…”, ironizou o diretor e apresentador Felipe Castanhari, do canal Nostalgia.

LEIA TAMBÉM

  • Lula diz que é “muito grave” censura a Nassif e à reportagem sobre o BTG Pactual
  • Nassif é censurado pela justiça do Rio. Blog do Esmael se solidariza com jornalistas do Jornal GGN
  • PSOL pede convocação de ministro da CGU após ameaça de censura a servidores públicos
  • Orlando Silva acusa CNN de censura em defesa de Bolsonaro
  • URGENTE: WhatsApp censura o PT, denuncia Gleisi; partido anuncia migração para o Telegram
  • PCdoB oficializa a candidatura de Orlando Silva à Prefeitura de SP

    O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) oficializou a candidatura de Orlando Silva à Prefeitura de São Paulo neste sábado (05/09) em ato político de sua Convenção Municipal. É a primeira vez que o partido lança um candidato a prefeito na capital paulista desde a redemocratização. Sem divulgar o vice de Orlando, a convenção aprovou 83 candidatos a vereadores e vereadoras.

    “Chegou a hora de construirmos uma alternativa para a cidade de São Paulo. Nosso projeto será popular. Será focado nas necessidades da população que mais precisa, nos territórios em que o poder público deve cumprir essencialmente sua função… Estamos prontos para realizar um grande governo”, afirmou Orlando no ato político que consolidou sua candidatura.

    Orlando Silva terá como centro de sua atuação a luta antirracista, a defesa da Democracia, o combate às desigualdades e a defesa do emprego e renda na maior cidade do Brasil.

    “Vou enfrentar os problemas de São Paulo de frente com um plano emergencial de emprego e renda. O Brasil está vivendo uma crise gravíssima, sanitária e de saúde pública, que já está crescendo no plano econômico. Já é possível ver famílias e crianças entrando em situação de rua por conta do desemprego”, garante Orlando.