João Amoêdo quer ser Paulo Guedes quando crescer

O banqueiro João Amoêdo, que disputou 2018 pelo “Novo”, sonha em ser Paulo Guedes quando crescer.

Amoêdo apresentou no Twitter, nesta terça-feira (15), sua fórmula para transferir renda.

Segundo o banqueiro, “cortando gastos” [sic] far-se-ia a expansão da transferência de renda e a redução da miséria.

Zero de zero se transfere zero, portanto.

João Amoêdo ainda ensinou o primeiro passo: detonar os servidores públicos com a reforma administrativa.

O ex-presidenciável do “Novo” disse que o funcionalismo vive em um mundo de “privilégios”.

O que dizer, então, dos banqueiros que vivem numa República dos Bancos? Sobre isso, Amoêdo silencia.

LEIA TAMBÉM

Auxílio Emergencial de R$ 300 a partir desta quinta enquanto arroz continua subindo

O governo do presidente Jair Bolsonaro começará pagar o Auxílio Emergencial reduzido de R$ 600 para R$ 300, a partir desta quinta-feira (17), enquanto o preço do arroz continua subindo nos supermercados.

De acordo com o Ministério da Cidadania, os beneficiários do programa Bolsa Família começam a receber de amanhã a primeira das 4 parcelas de R$ 300 do Auxílio Emergencial residual.

O pagamento dessa parcela para quem recebe o Bolsa Família segue até 30 de setembro, seguindo o número final do Número de Identificação Social (NIS).

O Auxílio Emergencial foi concebido no início da pandemia no valor de R$ 600, mas, no começo deste mês, Bolsonaro anunciou a redução pela metade.

Na época, o presidente era contra o valor. Ele e o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendiam a ajuda de apenas R$ 200.

Na crise do aumento do preço do arroz, a equipe econômica e o presidente Bolsonaro disseram –equivocadamente– que o alimento subiu porque as pessoas começaram comprar demais. Eles alegaram que o mercado recebeu dinheiro demais e isso causou inflação.

Apesar de o governo ter editado a Medida Provisória reduzindo o Auxílio Emergencial para R$ 300, no Congresso Nacional fala-se em voltar o valor em R$ 600. Os parlamentares são bastante sensíveis em período eleitoral.