Governo do Afeganistão e Talibã iniciam negociações de paz em Doha

O governo do Afeganistão e os talibãs iniciaram neste sábado (12) negociações de paz em Doha, no Catar. O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, acompanha as discussões que se anunciam difíceis por causa das profundas divergências entre os dois lados.

O diálogo começam um dia após o 19º aniversário dos atentados de 11 de setembro de 2001, que provocaram a intervenção internacional liderada pelos Estados Unidos, segundo o G1.

O negociador do governo afegão, Abdullah Abdullah, pediu um “cessar-fogo humanitário”, no início da cerimônia, que acontece em um grande hotel da capital do Catar.

“Temos que acabar com a violência e conseguir um cessar fogo o mais rápido possível”, disse Abdullah, um ex-ministro que preside o Conselho para a Reconciliação Nacional.

O Talibã ainda controla vastas regiões no Afeganistão e promove uma guerra contra o governo instalado em Cabul, capital do país.

LEIA TAMBÉM:

Globo chama a Igreja Universal para a briga no Rio

Covid-19: Brasil registra mais de 131 mil mortes e 814 novos óbitos neste sábado

Eleições 2020: PT realiza convenções em todo o país neste fim de semana

Guilherme Boulos (PSOL): candidato a prefeito de São Paulo | Eleições 2020 SP

Guilherme Boulos, 38 anos, nascido em São Paulo, é filho de pais médicos e professores da USP (Universidade de São Paulo) e foi o mais jovem candidato a presidente da República (35 anos) nas eleições de 2018. Formado em filosofia pela USP, Boulos também é historiador e já trabalhou como professor na rede pública de ensino de São Paulo.

Aos 15 anos, Boulos ingressou no movimento estudantil, quando era militante da UJC (União Juventude Comunista). Pouco depois, conheceu o MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) e o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), onde permanece atualmente como coordenador. Ele também já morou em ocupações encampadas pelo movimento.

Boulos ficou conhecido a partir de 2003, quando participou da ocupação de um terreno da montadora Volkswagen, em São Bernardo do Campo. O líder do MTST teve participação nos protestos de junho de 2013, em mobilizações contra os gastos para a Copa do Mundo (2014), nas manifestações contra o impeachment de Dilma Rousseff (2016) e em atos populares contra o governo de Michel Temer.

Em março de 2018, Guilherme Boulos ingressou no PSOL como pré-candidato à Presidência, tendo a indígena Sônia Guajajara como vice. Eles obtiveram 617 mil votos, ou 0,58% do total de válidos no primeiro turno.

Guilherme Boulos vai disputar a eleição de prefeito de São Paulo, em 15 de novembro de 2020, com a deputada Luiza Erundina (PSOL) na vice. Ela já foi prefeita da cidade entre 1989 e 1992.

Pesquisa feita pela Consultoria Atlas em parceria com o jornal El País divulgada nesta sexta-feira (11) apontou que o prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB), lidera com 16% das intenções de votos, seguido pelo coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos (PSOL) com 12,4% – embolado com Celso Russomano (Republicanos) que tem 12,3%.