Flordelis não é encontrada pela Corregedoria da Câmara dos Deputados

O corregedor da Câmara, deputado Paulo Bengston (PTB-PA), informou que a deputada Flordelis (PSD-RJ) não foi encontrada em duas tentativas de notificação sobre a abertura de processo de investigação que pode culminar na cassação de seu mandato.

Flordelis foi denunciada como mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo. Cinco de seus filhos, além de sua neta, foram presos no último dia 24 de setembro, em operação coordenada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro e pela Polícia Civil. Por ter imunidade parlamentar, a deputada não pode ser presa — a não ser em flagrante de crime inafiançável.

A primeira tentativa foi feita na quarta-feira (2) no gabinete da deputada na Câmara. A segunda aconteceu nesta quinta (3) em seu apartamento funcional em Brasília, ambas sem sucesso. Uma terceira tentativa será feita no endereço da deputada no Rio de Janeiro, disse Bengston. Se também não for encontrada, um comunicado sobre o processo será publicado no Diário Oficial da União. Somente ela pode assinar a notificação presencialmente.

Procurada pela reportagem, a assessoria de Flordelis afirmou que ela será notificada na próxima terça, 8, e que irá até a Corregedoria da Casa para tomar ciência da situação. Segundo a assessoria, Flordelis está no Rio de Janeiro hoje.

No Conselho de Ética, o caso Flordelis deve ser o primeiro a ser analisado devido à sua gravidade, embora haja outros oito casos à espera de serem pautados, ainda de 2019.

LEIA MAIS SOBRE O CASO FLORDELIS

Flordelis é denunciada à Corregedoria da Câmara dos Deputados

Flordelis: Maia vai pautar cassação da deputada nesta terça-feira

Flordelis aparece ‘careca’ e viraliza nas redes sociais

Flordelis: ‘Não estou preparada para ser presa e não vou ser’

Flordelis manteve relações sexuais com filho adotivo

Polícia diz que deputada Flordelis mandou matar o marido

Depois de idas ao Nordeste, Bolsonaro cai 8 pontos

Levantamento do PoderData aponta que a estratégia do presidente Jair Bolsonaro de intensificar a agenda de viagens ao Nordeste não deu certo. A pesquisa mostra que a aprovação da administração federal, que vinha em trajetória de alta na região, caiu 8 pontos percentuais no Nordeste.

Passou de 48% para 40% em relação ao último levantamento, realizado de 17 a 19 de agosto. A desaprovação ficou em 50% –, dentro da margem de erro.

As taxas estão abaixo da avaliação nacional: 51% aprovam o governo Bolsonaro e 41% desaprovam.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do site Poder360. A divulgação do levantamento é realizada em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 31 de agosto a 2 de setembro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 509 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Em relação ao trabalho individual de Bolsonaro na Presidência, são 31% dos nordestinos que o avaliam como “ótimo” ou “bom”. Houve queda de 7 pontos em duas semanas. A rejeição do presidente na região ficou estável em 43%.

A avaliação positiva do presidente na região está 7 pontos abaixo da avaliação nacional (39%). Já a rejeição ao seu desempenho está 9 pontos acima da média geral (34%).

Efeito político

A operação política do Planalto tinha como objetivo estabelecer bases e tentar minar a memória positiva do legado dos governos petistas na região. Mesmo embalado pelos efeitos temporários do auxílio emergencial, o presidente Jair Bolsonaro ainda enfrenta forte resistência entre o eleitorado nordestino.

Além disso, o Nordeste sofre com uma alta taxa de desemprego e desalento, resultado da desastrosa política econômica de Paulo Guedes – apoiada por Bolsonaro.

Portanto, como mostra a pesquisa, não foi dessa vez que Bolsonaro conquistou os corações e as mentes da população nordestina.