Entidades e parlamentares realizam ato virtual nesta quinta-feira contra os cortes no orçamento da Educação

Compartilhe agora

Entidades e movimentos da Educação, em parceria com parlamentares de várias legendas, realizam nesta quinta-feira (17), a partir das 18h, um grande Ato Virtual em Defesa de um Orçamento Justo para a Educação em 2021. A mobilização ocorre por conta da ameaça de corte de mais de R$ 2 bilhões para o setor, previsto na proposta orçamentária do governo Bolsonaro para o próximo ano, que afetaria principalmente as universidades e institutos federais. Devem participar do Ato Virtual 16 Frentes Parlamentares ligados ao tema e cerca de 70 organizações da educação, como a UNE, a UBES, Andifes e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Segundo os organizadores, o ato será dividido em blocos comandados pelas entidades, dos quais participarão seus representantes, além de personalidades, profissionais da área e parlamentares. A transmissão do evento ocorrerá ao vivo pelo YouTube e pelas páginas do Facebook das dezenas de entidades, movimentos, frentes e parlamentares.

LEIA TAMBÉM
Sobrinho de Requião sai candidato a prefeito de Curitiba pelo MDB

Bolsolula: Bolsonaro chega ao Nordeste querendo ser Lula

A ‘direita vai pra guerra’ dizem os robôs pela reeleição de Bolsonaro

Para a deputada Margarida Salomão (PT-MG), presidente da Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Federais, chegou o momento de toda a sociedade se mobilizar para evitar mais retrocessos na educação e defender o futuro do País.

“A educação é interesse da sociedade como um todo e não apenas dos profissionais da educação. Somente com educação o País terá desenvolvimento, redução das desigualdades e mobilidade social. Os cortes orçamentários previstos para 2021 é um crime contra o desenvolvimento científico do País e contra o direito da população acessar o ensino superior. Portanto, esse corte afeta o futuro das crianças e adolescentes do nosso País, que só pode melhorar por meio do desenvolvimento social e humano que só a educação pode oferecer”, afirmou Margarida Salomão.

A informação é do PT na Câmara