Deltan Dallagnol é alvo de protesto de críticos na despedida da Lava Jato

O procurador Deltan Dallagnol, demitido ontem (1º) da Lava Jato, foi alvo nesta quarta-feira (2) de protesto de críticos da força-tarefa.

Integrantes do Coletivo pela Verdade, Justiça e Democracia realizaram hoje, em Curitiba, manifestação contrário ao ex-chefe da Lava Jato e em agradecimento ao procurador-geral da República, Augusto Aras, pelo desligamento do ex-coordenador da força-tarefa.

Portando faixas e cartazes, os manifestantes contrários a Deltan Dallagnol protestaram em frente ao prédio do Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR), no centro da capital paranaense, atraindo a atenção de curiosos e transeuntes. Muitos aplaudiam os manifestantes anti-Lava Jato.

Os recados estampados nos banners, faixas e cartazes eram os seguintes:

  • “Quem lucrou mais? Moro ou Deltan”
  • “Lava Jato causou prejuízos de R$ 142 bilhões à economia brasileira e milhões de desempregos”
  • “Basta de mentiras, crimes e abusos da Lava Jato”
  • “Devolvam a soberania do Brasil. Fora FBI!” e “Força PGR. A Lava Jato não está acima da lei”
  • “Aha uhu, o Fachin é nosso!”
  • “Moro viola sempre o sistema acusatório e é tolerado pelos resultados”
  • “Quem mandou o vizinho do presidente matar Marielle?”
  • Força, PGR. A Lava Jato não está acima da lei”

No lugar de Deltan, o procurador-geral Augusto Aras escalou o procurador Alessandro José Fernandes de Oliveira. Ele atua no grupo de trabalho da Lava Jato pela PGR, chefiado pela subprocuradora-geral Lindôra Maria Araújo.

Com a defenestração de Deltan Dallagnol, espera-se a volta do respeito às garantias constitucionais e o fim da espetacularização do direito penal brasileiro.

Veja as imagens da manifestação contra Deltan Dallagnol, no MPF-PR. As fotos são do repórter fotográfico Eduardo Matysiak:

LEIA TAMBÉM

AO VIVO: STJ julga afastamento de Witzel

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decide nesta quarta-feira (02) se mantém o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), afastado do cargo.

O afastamento de Witzel vale por 180 dias e foi determinado pelo STJ, a pedido da PGR, por causa de supostos desvios na saúde do estado Rio de Janeiro.

O governador, oriundo do bolsonarismo, foi eleito em 2018 com a bandeira do combate à corrupção.