Condor, apoiador de Bolsonaro, vende arroz a R$ 42 no Paraná

A rede de supermercados Condor, do Paraná, assume-se como bolsonarista de primeira hora. É daquele grupo de “patriotas” a quem o presidente Jair Bolsonaro disse, na sexta-feira (4), que irá apelar para que não abuse dos preços.

Pois bem, o Condor colocou em suas gôndolas pacote de arroz com cinco quilos a inacreditáveis R$ 42,99.

O Blog do Esmael fez uma denúncia dos preços abusivos dos alimentos durante a pandemia e o presidente limitou-se à promessa de “conversar” com os donos de supermercados.

Bolsonaro culpou o auxílio emergencial de R$ 600 pelo aumento de preços, pois, segundo ele, aumentou a circulação de “papel” [dinheiro]. Ou seja, a culpa sempre é do pobre, esse infeliz, que resolveu comer.

Uma foto com a “oferta” do Condor para o pacote de arroz de 5 kg ganhou as redes sociais durante o feriado da Independência do Brasil.

“Não vai ter uva passa no arroz, se não tiver arroz”, tuitou o perfil de “Nazaré Amarga”, anexando a foto da etiqueta com o preço na rede de supermercados Condor.

LEIA TAMBÉM

  • Bolsonaro pede “patriotismo” para donos de supermercados; assista ao vídeo
  • Após crítica do PT, bolsonarista Rede Condor volta atrás de boicote à propaganda na Rede Globo
  • Presidente Jair Bolsonaro em “alta” em Cornélio Procópio (PR); confira

    72% querem aulas presenciais somente depois da vacina contra a Covid-19, diz Ibope

    O Ibope divulgou uma pesquisa nesta segunda-feira, 7 de setembro, afirmando que 72% querem a retomada das aulas presenciais somente depois da vacinação contra a Covid-19.

    De acordo com o instituto de pesquisa, na região Sul esse índice contrário à volta às aulas antes da vacina sobe para 77%.

    O Ibope diz que entrevistou 2.626 brasileiros com mais de 18 anos, de todas as classes sociais, pela internet, entre os dias 21 e 31 de agosto.

    Segundo as entidades ligadas à educação, apenas o estado do Amazonas retomou as aulas presenciais.

    As aulas presenciais estão previstas para serem retomadas em São Paulo e Rio Grande do Sul partir desta terça-feira (8).

    Rio de Janeiro, Piauí, Pernambuco e Pará também já têm datas marcadas que vão do próximo dia 14 até outubro.

    No próximo sábado, dia 12, a APP-Sindicato, um dos mais importantes sindicatos de educadores do país, irá avaliar a deflagração de uma greve geral contra a volta das aulas presenciais no Paraná.

    O Brasil tem 4.137.521 casos confirmados e 126.650 mortes por covid-19 neste domingo (6), segundo o Ministério da Saúde.