Brasil ultrapassa 140 mil mortes por Covid-19

O país ultrapassou 140 mil mortes provocadas pela Covid-19, depois de ter registrado nas últimas 24 horas 729 óbitos, de acordo com a informação do boletim epidemiológico divulgado nesta sexta-feira (25) pelo Ministério da Saúde.

O país registrou um total de 140.537 mil mortes e mais 31.911 casos do novo coronavírus, elevando o número total de infectados para 4.689.613.

A autoridade sanitária informou ainda que 4.040.949 pessoas já recuperaram da doença e outras 508.127 permanecem sob acompanhamento.

Os estados de São Paulo (34.877), Rio de Janeiro (18.166), Ceará (8.891) e Pernambuco (8.129) têm o maior número de óbitos devido ao novo coronavírus no país.

Apesar de liderar em número de óbitos e casos confirmados, o governo de São Paulo anunciou nesta sexta o encerramento das atividades do último hospital de campanha criado para tratar pacientes infectados pela Covid-19, que deverá ocorrer no sábado, após cinco meses em funcionamento.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 984.068 mortos e cerca de 32,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência AFP.

LEIA TAMBÉM:

Jornal Nacional, da Globo, censura Ibope que desaprova Paulo Guedes

[Ao vivo] Eleições 2020 x Covid-19: há segurança sanitária para a votação?

Verdão x Mengão; será que um novo surto de Covid-19 no futebol está por vir?

Reino Unido registra ‘segunda onda’ de Covid-19

O Reino Unido bateu o recorde diário de infectados em 24 horas, indicando uma segunda onda de Covid-19. Na quinta-feira (24), foram 6.634 registros, de acordo com o Serviço Nacional de Saúde (NHS), o “SUS” da Inglaterra.

O primeiro-ministro da Inglaterra, Boris Johnson, aumentou a escala de risco da pandemia de três para quatro. A escala vai até cinco.

Pubs, bares e restaurantes devem fechar, a partir de agora, até às 22h. Essa é uma parte das novas restrições impostas pelo governo britânico. Casamentos e funerais só poderão acontecer com, no máximo, 15 e 30 pessoas, respectivamente.

Como último recurso, Boris Johnson pode adotar novamente a política de confinamento nacional. Os impactos na economia devem ser sentidos fortemente, caso isso aconteça.

Vale lembrar que a Europa tem visto o número de infectados pelo novo coronavírus diariamente duplicar nas últimas semanas. Portugal, Espanha, Itália, Alemanha e França, ao lado do Reino Unido, estão entre os principais países afetados pela “segunda onda” de Covid-19.

*Com informações de agências internacionais

Compartilhe agora