Bolsonaristas pedem a abertura das escolas e são esculhambados no Twitter

Sem ter muito o que fazer, e sem nenhuma noção da realidade, os robôs bolsonaristas resolveram fazer um tuitaço pedindo: #AbramAsEscolas. O resultado foi um tiro no pé.

O ano letivo já está comprometido e a volta às aulas de maneira desordenada, sem que haja a imunização através de uma vacina, pode fazer com que os casos de Covid-19 voltem a crescer; logo agora que começaram a diminuir.

Confira algumas postagem rechaçando a volta às aulas na pandemia:

O bolsonarista Leandro Ruschel é um dos que levou várias invertidas depois de dizer que as escolas em Miami abriram e está tudo bem…

É claro que cada Estado e Município deve avaliar a sua realidade. Mas não é absurdo dizer que sem vacina, fica difícil a educação voltar ao normal.

Covid-19: Vacina chinesa pode estar disponível à população em novembro

Uma vacina contra a Covid-19 desenvolvida na China pode estar pronta para aplicação em larga escala a partir de novembro, afirmou um alto funcionário do governo à imprensa estatal, enquanto se intensifica uma corrida mundial para a fase final de testes clínicos.

Na noite de segunda-feira (14), o principal especialista em biossegurança do Centro Chinês para o Controle de Doenças afirmou ao canal estatal CCTV que uma vacina estaria disponível ao público em geral “por volta de novembro ou dezembro”. Segundo ele, os resultados clínicos da fase 3 do fármaco, que não foi especificado, mostram “uma rápida evolução”. O especialista afirmou que foi vacinado em abril e que se sentiu bem nos últimos meses, sem informar o imunizante inoculado em seu corpo.

LEIA TAMBÉM
Covid-19: Brasil ultrapassa 132 mil mortes e registra 381 novos óbitos nesta segunda

A maioria dos brasileiros é favorável à obrigatoriedade da vacina, diz pesquisa de opinião

O vital exercício crítico da cidadania, por Enio Verri

Em vídeo, Bolsonaro nega que irá congelar pensões e aposentadorias; assista

Pré-sal: TRF-4 manda rebatizar campo de Lula

PSOL carioca protocola novo pedido de impeachment contra Crivella

Os cientistas chineses vêm expressando otimismo com os avanços. As empresas Sinovac Biotech e Sinopharm exibiram neste mês as vacinas que desenvolvem em um evento comercial em Pequim. Responsáveis dos dois laboratórios farmacêuticos afirmaram que esperam a aprovação dos produtos após os testes da fase 3, que devem ser realizados até o fim do ano.

A CoronaVac, desenvolvida pela Sinovac Biotech, é testada atualmente no Brasil em voluntários de seis estados. O governador de São Paulo, João Doria, disse na última quarta-feira (9) que os testes clínicos realizados com o fármaco no país mostraram resultados “extremamente positivos”. “Uma ampla campanha de vacinação pode começar em dezembro”, afirmou o governador na semana passada.

A Sinovac concluiu uma parceria com o Instituto Butantan, centro de pesquisas de São Paulo, para desenvolver a fase 3 dos ensaios clínicos de seu produto. O acordo dá ao Instituto o direito de produzir 120 milhões de doses da vacina, suficientes para imunizar 60 milhões de pacientes.

O Brasil, que já participa dos ensaios clínicos organizados pelos grupos Oxford/AstraZeneca, Sinovac Biotech e Pfizer/BioNTech, também participa dos testes com o imunizante da Sinopharm, em um acordo firmado no final de julho com o governo do Paraná.

Nove vacinas em fase final de testes
Atualmente, em todo o mundo, há nove candidatas à vacina contra o novo coronavírus em fase avançada de testes em voluntários, mas recentemente algumas enfrentaram obstáculos. O grupo farmacêutico AstraZeneca e a Universidade de Oxford interromperam temporariamente os experimentos clínicos na semana passada, depois que uma voluntária apresentou um efeito colateral inexplicável.

Algumas vacinas candidatas chinesas foram disponibilizadas a trabalhadores essenciais no âmbito de um programa de emergência. Um porta-voz da empresa Sinovac indicou no início do mês que dezenas de milhares de pessoas foram vacinadas de maneira voluntária, incluindo 90% dos funcionários da empresa e familiares, entre 2.000 e 3.000 pessoas.

Em junho, o Exército chinês já havia aprovado uma vacina para uso em seus soldados. Ela foi desenvolvida por sua unidade de pesquisas e uma empresa de biotecnologia.

Por RFI