79% são favoráveis ao impeachment de Witzel no Rio, diz Pesquisa

Levantamento da Paraná Pesquisas sobre a situação do Rio indica que o governador Wilson Witzel, do PSC, já entrou no bico do corvo.

Segundo o instituto de pesquisas, 79,1% dos cariocas são favoráveis ao impeachment do governador do Rio.

Apenas 14,5% são contrários ao afastamento do inquilino do Palácio das Laranjeiras e 6,4% são indiferentes.

Confira o resultado da pesquisa:

O Sr(a) é favor ou contra o Impeachment, ou seja o afastamento, do governador Wilson Witzel?

  • A favor 79,1%
  • Contra 14,5%
  • Não sabe/não opinou 6,4%

A sondagem da Paraná Pesquisas foi realizada entre os dias 1 e 3 de setembro de 2020,no município do Rio, com 1.226 eleitores.

LEIA TAMBÉM

General Heleno ataca ministra Cármen Lúcia por questionar ação das Forças Armadas na Amazônia

General Heleno, ministro do Gabinete da Segurança Institucional (GSI), pelo Twitter, atacou na manhã deste sábado (5) a decisão da ministra do STF Cármen Lúcia acerca de uma ação do PV, que questiona a atuação das Forças Armadas na Amazônia Legal.

“Perdão, cara ministra, se a senhora não conhece essa área, sabe qual seria sua pergunta: “O que seria da Amazônia sem as Forças Armadas?””, questionou de forma ríspida o General Augusto Helena.

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, determinou que o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, prestem informações sobre o uso das Forças Armadas em ações na fronteira, terras indígenas e unidades federais de conservação ambiental nos nove estados da Amazônia Legal. É por causa disso que General Heleno surtou nas redes sociais logo na manhã de hoje.

“A ministra Carmen Lúcia, do STF, acolheu ação de um partido político e determinou que o presidente da República e ministro da Defesa expliquem o uso das Forças Armadas na Amazônia. Perdão, cara ministra, se a senhora conhecesse essa área, sabe qual seria sua pergunta: “O que seria da Amazônia sem as Forças Armadas?””, atacou o ministro do GSI.

Cármen Lúcia pediu informações numa ação do Partido Verde que visa anular o decreto presidencial e a portaria do Ministério da Defesa, que autorizaram, em maio, as Forças Armadas a atuarem “em defesa da lei e da ordem, em ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais e combate a focos de incêndio”.

Para o PV, a ação das Forças Armadas na região Amazônica representa “verdadeira militarização da política ambiental” e “usurpa competências dos órgãos de proteção ambiental”.

“Requisitem-se, com urgência e prioridade, informações ao Presidente da República e ao Ministro da Defesa, a serem prestadas no prazo máximo e improrrogável de cinco dias”, determinou Cármen Lúcia, que espera uma resposta do governo Bolsonaro em cinco dias.

Quanto ao ministro do GSI, General Heleno, recomenda-se “maracujina”. Prestar informações é obrigação constitucional do agente público, seja ele civil ou militar. Simples assim.