Witzel: Defesa entra com pedido ao STF para anular afastamento

Os advogados de Wilson Witzel entraram com recurso junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para anular a liminar que determinou o seu afastamento do cargo de governador do Rio de Janeiro. A decisão pelo desligamento de Witzel da função, por 180 dias, foi decretada na sexta-feira (28) pelo ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O pedido da defesa de Witzel é que o STF tenha o poder de decisão acerca de assuntos que não estão evidentes no processo que levou à retirada do governador do cargo. Entre eles, a necessidade ou não de haver uma denúncia recebida de maneira prévia contra o chefe do Poder Executivo Estadual antes dele ser obrigado a se afastar.

Os advogados também desejam que haja uma definição jurídica sobre o quórum preciso para que se tenha a validação da decisão do afastamento, isto é, se esse número seria de 2/3 ou composto por maioria simples.

Vale ressaltar que a decisão de sexta-feira aconteceu de forma monocrática. A decisão judicial foi vista por diversos setores políticos com preocupação e levanta o questionamento sobre o crescente empoderamento do Poder Judiciário.

Além disso, nos últimos meses, o governador Witzel e o presidente Bolsonaro, antigos aliados, romperam relações políticas, iniciando um intenso enfrentamento político no Rio.

LEIA TAMBÉM:

Afastamento de Witzel é vitória de Bolsonaro no Rio

Mourão sobre o afastamento de Witzel: “Acho difícil que ele volte”

Justiça nega pedido para suspender impeachment contra Witzel

Afastamento de Witzel

Wilson Witzel foi afastado do cargo de governador do RJ, por 180 dias, na última sexta-feira, dem decisão do STJ, devido a suspeitas de irregularidades cometidas na área da saúde durante o enfrentamento à pandemia do Coronavírus. A mesma operação prendeu o Pastor Everaldo Pereira, acusado pelo ex-secretário de Saúde Edmar Santos, em delação premiada, de ser o ”chefe” da pasta no estado.

*Com informações do Diário do Rio