[Vídeo] Polícia do governador Zema ateia fogo em acampamento do MST

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra está denunciando a atitude criminosa da Polícia Militar de Minas Gerais que ateou fogo nas plantações para forçar a desapropriação de um acampamento do MST.

O acampamento se chama Quilombo Campo Grande, e reúne 450 famílias sem-terra no município de Campo do Meio (MG).

Confira a postagem do MST:

“URGENTE | Sob comando do covarde governador de Minas Gerais, @RomeuZema, a Polícia Militar ateia fogo no Acampamento Quilombo Campo Grande para tentar retirar as famílias. A vida das famílias Sem Terra estão em suas mãos governador! Retire a polícia do acampamento!#ZemaCovarde

Mais cedo, o Blog do Esmael registrou que a operação da Polícia Militar de Minas Gerais está sendo considerada covarde e fora de propósito. Confira a seguir:

“Zema covarde” vai ao topo do Twitter após ação policial contra o MST

O acampamento Quilombo Campo Grande, que reúne 450 famílias sem-terra no município de Campo do Meio (MG) é alvo de despejo desde quarta-feira (12).

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) resiste e reage em diversas frentes. Nesta quinta-feira (13), a hashtag #ZemaCovarde subiu ao topo do Twitter e é a mais comentada do país, expondo o descontentamento com a ação do governador Romeu Zema (Novo) de Minas Gerais.

A ação conta com dezenas de viaturas e policiais de outras cidades. O MST também tomou medidas judiciais contra a violência do governo mineiro:

“O MST entrou com um pedido no (STJ) Superior Tribunal de Justiça para reversão da ordem ilegal de despejo e está convocando mobilizações em todas as redes sociais com a TAG #ZemaCovarde. #SalveQuilombo

Integrantes da coordenação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) denunciam que a responsabilidade por feridos ou mortes em decorrência de um conflito direto com as forças policiais são de responsabilidade do governador Romeu Zema (Novo), que permitiu o despejo em meio à crise de saúde pública sem precedentes no país.

Segundo o MST, a decisão descumpre acordo firmado em mesa de diálogo sobre o conflito, para que as famílias permanecessem no local ao menos enquanto houvesse necessidade de isolamento social.

“Não recuaremos um centímetro da decisão de lutar. Esse despejo em plena pandemia é um desrespeito a vida e a dignidade humana. #SalveQuilombo #ZemaCovarde

Com informações do Brasil de Fato. 

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro promove aglomero em Belém (PA); assista ao vídeo

Folha e Estadão defendem mais privatizações em editoriais

É tanto dinheiro que Flávio Bolsonaro nem lembra como comprou imóveis