Será ‘impossível governar o Brasil’ se Câmara acompanhar a decisão do Senado, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira (20) que será “impossível governar o Brasil” se a Câmara dos Deputados acompanhar o Senado e também derrubar o veto que impedia reajustes salariais a servidores públicos.

“Ontem o Senado derrubou um veto que vai dar prejuízo de R$ 120 bilhões para o Brasil. Então eu não posso governar um país… Se esse veto [não] for mantido na Câmara, é impossível governar o Brasil, impossível. É responsabilidade de todo mundo ajudar o Brasil a sair do buraco”, disse o presidente a apoiadores, ao sair do Palácio da Alvorada.

LEIA TAMBÉM
Senado deu “péssimo sinal” ao derrubar veto de Bolsonaro que limita reajustes de servidores, diz Guedes

Bolsonaro perdeu o guru com a prisão Bannon

Petistas são inocentados pela Justiça no caso “mensalão” após 15 anos

O Senado derrubou nesta quarta-feira (19) o veto presidencial que impedia reajustes salariais a servidores públicos até o final de 2021. A proibição foi estabelecida como contrapartida ao auxílio federal de 60 bilhões de reais repassados a estados e municípios para o enfrentamento da crise causada pelo novo coronavírus. A contrapartida também envolve a suspensão do pagamento de dívidas dos entes com a União e bancos públicos, o que levou o valor total do pacote a 125 bilhões de reais.

Se a Câmara também decidir pela derrubada do veto na sessão desta quinta-feira, os estados e municípios poderão usar esse dinheiro para concederem reajustes salarias a profissionais de segurança pública, saúde, educação, agentes penitenciários e militares.

O governo espera que seu novo líder na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), consiga convencer a maioria dos deputados a manterem o veto. Barros é ligado ao centrão — grupo de partidos que se aproximou de Bolsonaro após liberação de cargos e emendas.