PT repudia violência policial do governo Zema contra assentamento sem terra

O Partido dos Trabalhadores (PT) divulgou nota nesta noite de sexta-feira (14) em que condena o violento despejo contra 450 famílias do assentamento Quilombo Grande, em Campo do Meio, no sul do estado de Minas Gerais.

O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) denunciou a ação truculenta da PM mineira ordenada pelo governador Romeu Zema (Novo).

“Não aceitamos o uso da força e a truculência policial contra os trabalhadores – inclusive com ameaçadores voos rasantes de helicópteros e o incêndio de escola e de moradias. A violência da PM-MG merece a condenação de toda a sociedade brasileira, especialmente num momento em que precisamos de união para enfrentar a Covid-19 e suas consequências na vida do povo”, diz um trecho da nota do PT.

Leia a íntegra da nota do PT:

A Direção Nacional do PT junto com suas bancadas na Câmara do Deputados e no Senado Federal repudia veementemente a violência da Polícia Militar de Minas Gerais, com a conivência covarde do governador Romeu Zema (Novo), contra as famílias do assentamento do MST Quilombo Campo Grande, em Campo do Meio, Sul de Minas.

A decisão de promover o despejo de 450 famílias, com base em ordem judicial desumana e arbitrária, atenta contra os direitos humanos, já que expõe centenas de crianças e adultos- entre eles dezenas de idosos – à pandemia de Covid-19.

Não aceitamos o uso da força e a truculência policial contra os trabalhadores – inclusive com ameaçadores voos rasantes de helicópteros e o incêndio de escola e de moradias. A violência da PM-MG merece a condenação de toda a sociedade brasileira, especialmente num momento em que precisamos de união para enfrentar a Covid-19 e suas consequências na vida do povo.

Nos solidarizamos com os trabalhadores do assentamento e conclamamos, mais uma vez, as autoridades do Judiciário e o governador de Minas a suspenderem a desocupação da área ocupada há mais de 20 anos pelas famílias, em projeto exemplar, na qual sobrevivem com base na produção de alimentos orgânicos.

Brasília, 14 de agosto de 2020

Comissão Executiva Nacional do PT
Enio Verri (PT-PR), líder do PT na Câmara dos Deputados
Rogério Carvalho – Líder do PT no Senado Federal

LEIA TAMBÉM:

André Brandão, ex-HSBC, é o novo presidente do Banco do Brasil

Oposição aciona STF contra MP de Bolsonaro que permite a privatização da Caixa

Despejo criminoso do Quilombo Campo Grande será denunciado mundialmente, diz Boff

PT pede a Fachin liminar urgente para suspender despejo de 450 famílias de acampamento do MST em MG

A Bancada do PT na Câmara protocolou hoje (14), no Supremo Tribunal Federal (STF), pedido para que o ministro Edson Fachin conceda, em caráter de urgência, liminar para suspender o despejo de 450 famílias do acampamento Quilombo Campo Grande, em Campo do Meio, Sul de Minas Gerais.

O documento é assinado pelo líder da Bancada, Enio Verri (PR), e os deputados Helder Salomão (ES), João Daniel (SE) e Rogério Correia (MG).

Os parlamentares assinalam que apesar dos apelos feitos por diversas organizações de defesa dos direitos humanos ao governador do estado, Romeu Zema, a ação de despejo, iniciada na quarta-feira (12/08/2020), segue com cerca de duzentos policiais que se revezam em turnos no assentamento.

A PM-MG, de acordo com os deputados, foi denunciada por destruição de escolas e muita violência na retirada de famílias do local, “com riscos de agravamento dos conflitos e, em especial, o grave potencial de vulnerabilidade de crianças, idosos e toda a comunidade exposta à contaminação pelo coronavírus, dada as circunstâncias em que realiza-se a malfadada e ilegal operação de despejo”.

A bancada lembra ainda que o acampamento Quilombo Campo Grande foi formado há 22 anos no local da falida usina de açúcar Ariadnópolis, que ainda tem como pendência inúmeros casos de direitos trabalhistas não saldados. O acampamento do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) abriga na área cerca de 450 famílias, que vivem da produção de alimentos orgânicos, sem uso de venenos. Só em café orgânico produzem cerca de 510 toneladas anuais.

*A informação é da Liderança do PT na Câmara