Militares com orçamento superior o da Educação em 2021 propõe governo

O presidente Jair Bolsonaro propõe injetar R$ 5,8 bilhões a mais nas Forças Armadas em 2021. A proposta, que está nas mãos do ministro da Economia Paulo Guedes, significa uma fatia maior para os militares em detrimento da pasta da Educação, segundo o informa o jornal O Estado de São Paulo.

Caso aprovada a proposta no orçamento, será a primeira vez que a Defesa vai superar o orçamento do Ministério da Educação (MEC). Com isso, a Defesa terá um acréscimo de 48,8% em relação ao orçamento deste ano, passando de R$ 73 bilhões para R$ 108,56 bilhões em 2021, conforme previsão do texto que está no Ministério da Economia e será encaminhado ao Congresso Nacional.

Enquanto isso, a verba do Ministério da Educação (MEC) deve cair de R$ 103,1 bilhões para R$ 102,9 bilhões. Na semana passada, reitores de universidades federais alertaram que o corte pode inviabilizar atividades nas instituições.

Os valores, não corrigidos pela inflação, consideram todos os gastos das duas pastas, desde o pagamento de salários, compra de equipamentos e projetos em andamento, o que inclui, no caso dos militares, a construção de submarinos nucleares e compra de aeronaves.

Os militares têm um grande protagonismo no interior do governo Bolsonaro, ocupando diversos ministérios e a direção de empresas estatais e autarquias federais. Além disso, são atualmente uma base política fundamental de apoio ao projeto bolsonarista de poder.

LEIA TAMBÉM:

Informações sobre criança de 10 anos que foi estuprada devem ser apagadas das redes

Efeito Auxílio Emergencial: Bolsonaro inicia semana com agenda pelo Nordeste

Efeito Auxílio Emergencial: Bolsonaro inicia semana com agenda pelo Nordeste

China registra a primeira patente de vacina contra o Coronavírus

A China anunciou nesta segunda-feira (17) ter aprovado a primeira patente de uma vacina contra o novo coronavírus. O Gabinete de Propriedade Intelectual do Estado Chinês afirmou que esta vacina, desenvolvida pelo Instituto Científico Militar, que se encontra na terceira fase de testes, pode “ser produzida em massa num curto período de tempo”.

A vacina foi desenvolvida pelo Instituto Científico Militar e pela empresa biofarmacêutica chinesa CanSino Biologics e já começou a ser utilizada pelo Exército chinês no mês de julho.

Esta não, portanto, a mesma vacina que está sendo testada em São Paulo pelo instituto Butantã, em parceria com a empresa chinesa Sinovac.

Uma equipa liderada pelo cientista Chen Wei descobriu um anticorpo monoclonal altamente eficiente contra o novo coronavírus e que tem tido resultados bastante positivos na imunidade contra a covid-19 em ratos e roedores, na segunda fase de testes.

Segundo os resultados, a vacina é segura e induz uma resposta imune contra o coronavírus, pode ler-se nas conclusões do Instituto partilhadas no The Lancelet.

Apesar de já terem sido testados mais de 500 voluntários e os resultados terem sido positivos é necessário realizar mais testes em mais pessoas na fase três, que irá testar a segurança e eficácia da vacina contra o novo coronavírus, visto os voluntários não terem sido expostos ao vírus após a vacinação.

Mesmo com a segurança e a eficácia ainda não estarem garantidas vários especialistas afirmam que a concessão da patente demonstra a “originalidade e criatividade” da vacina, citados pelo jornal Global Times.

*As informações são da Sapo