Maduro homenageia Leon Trotski nos 80 anos de sua morte

O presidente do governo bolivariano da Venezuela, Nicolás Maduro, foi ao Twitter nesta sexta-feira (21) para lembrar os 80 anos da morte do revolucionário russo Leon Trotski, que ao lado de Lenin liderou a Revolução Russa de 1917.

Maduro ressaltou a importância de Trotski e seu legado como um dos maiores líderes do proletariado internacional: “Recordamos um dos grandes líderes da Revolução de Outubro na Rússia, Leon Trotski. Aos 80 anos de seu assassinato, os revolucionários do mundo honramos a memória e o legado deste grande teórico e político que acompanha hoje a luta da classe operária que luta por seus direitos”, escreveu o presidente venezuelano.

Maduro, na juventude, integrou a organização marxista Liga Socialista da Venezuela. Estudou em Cuba e após o levante cívico-militar do então tenente-coronel Hugo Chavez, em 1992, se aproximou da corrente política chavista em formação.

LEIA TAMBÉM:

À medida que mais faculdades ficam online, alunos exigem redução nas mensalidades

BNDES seleciona consórcio para preparar privatização dos Correios

PT aprova divisão do fundo eleitoral com candidatos a prefeito e vereador no País

O assassinato de Trotski

20 de agosto de 1940, na sua casa em Coyocán nos arredores da Cidade do México, Leon Trotsky foi golpeado com uma picareta na cabeça por Ramón Mercader, um agente a serviço da polícia política soviética – controlada por Stálin.

Trotski faleceu na madrugada de 21 de agosto num hospital na Cidade do México, capital do México, país que lhe concedeu asilo. O México era presidido por Lázaro Cárdenas.

Bio comunista

Leon Trótski – 1879-1940 [nascido Liev Davidovich Bronstein] foi um revolucionário marxista, com intensa atividade política e teórica. Em 1905, com 25 anos, presidiu o Soviete de São Pertersburgo, uma primeira tentativa de assalto ao poder da classe trabalhadora russa contra a autocracia czarista. Foi preso e exilado inúmeras vezes durante a vigência da monarquia do Czar Nicolau II.

Com o triunfo da Revolução Russa de 1917, Trotski foi nomeado Comissário do Povo (Ministro) para os Negócios Estrangeiros; posteriormente, foi organizador e comandante do Exército Vermelho.

Foi um destacado dirigente do Partido Comunista da União Soviética e da III Internacional, fundada em 1919 por Lenin.

Após intensa luta interna sobre os rumos da revolução, foi expulso do partido e exilado da União Soviética.

O estado soviético dirigido por Stálin moveu uma feroz perseguição contra Trotski e sua família, que foi dizimada na URSS.

Em setembro de 1938, nos arredores de Paris, reuniu partidários e fundou a IV Internacional com base em um documento programático formulado pelo revolucionário russo. O programa então adotado tinha como título “A agonia do capitalismo e as tarefas da 4ª Internacional” e o subtítulo “A mobilização das massas por meio das reivindicações transitórias”. Ele passou para a história com o nome de “Programa de Transição” -, uma referência básica até hoje para a atuação das organizações trotsquistas.