Joice Hasselmann

Joice Hasselmann condenada por danos morais vai desembolsar R$ 30 mil

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) anda colecionando notícias ruins na arena política e judicial. Agora, a 1ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) aumentou o valor para R$ 30 mil da indenização que a parlamentar terá que pagar ao empresário Hermes Freitas Magnus.

A deputada foi processada pelo conteúdo de seu livro “Delatores – a queda dos investigados na Lava Jato”. Ao entrar com a ação em 2018, quando Joice ainda era candidata, o empresário afirmou que ela o retratou como alguém envolvido em um esquema criminoso. Magnus, no entanto, alega ter sido vítima.

No processo, o empresário chegou a pedir uma indenização de R$ 2 milhões, mas a Justiça, no entanto, havia condenado a deputada a pagar R$ 20 mil.

Ao analisar o caso, a turma do TJ votou por unanimidade por aumentar o valor da indenização.

Além disso, na política, Joice oscila em torno de 1% nas pesquisas eleitorais para a disputa pela prefeitura de São Paulo.

LEIA TAMBÉM:

Lula: é falsa matéria da Folha sobre tentativa de adiar julgamento do habeas corpus no STF

Corregedor Nacional de Justiça pede apuração sobre conduta de juíza do Paraná

Casagrande pede paralisação do Campeonato Brasileiro de Futebol: “Não é seguro para ninguém”

Bolsonaro põe Centrão na liderança do governo na Câmara

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou às origens, o Centrão, ao nomear o deputado Ricardo Barros (PP-PR) para a liderança do governo na Câmara. Embora a decisão tenha ocorrido nesta quarta-feira (12), o ato ainda será oficializado pelo Palácio do Planalto. A publicação no Diário Oficial da União será na próxima terça-feira, dia 18 de agosto.

Ex-ministro da Saúde no governo Michel Temer (MDB), Barros é um dos expoentes do Centrão e vai entrar no lugar do deputado Vitor Hugo (PSL-GO). Ou seja, os bolsonaristas raízes estão sendo substituídos pelos “profissionais” e as integrantes da “velha política” que Bolsonaro jurava combater.

Ricardo Barros, pelo Twitter, agradeceu ao convite de Bolsonaro e, com isso, antecipou a demissão de Hugo.

“Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro pela confiança do convite para assumir a liderança do governo na Câmara dos Deputados com a responsabilidade de continuar o bom trabalho do Líder Vitor Hugo, de quem certamente terei colaboração. Deus me ilumine nesta missão”, tuitou Barros.

O atual líder Vitor Hugo não passou recibo. Também pelo Twitter, o ainda líder do governo escreveu: “Muitos desafios superados e grande amadurecimento. Desejo toda sorte ao novo líder Ricardo Barros, que contará com meu total apoio”.

Quando era deputado, Jair Bolsonaro era o Centrão. O grupo fisiologista nunca saiu do presidente da República e o presidente da República nunca saiu do Centrão. Eles são a mesma coisa, a exemplo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (MDB-PR), que, informalmente, lidera o Centrão.

Embora o governo possa indicar até 15 vices-líderes na Câmara, pelo seu perfil, Ricardo Barros deverá engolir os demais “franguinhos” bolsonaristas.

Nos últimos dias, o presidente Bolsonaro inciou a higienização dos cargos de vice-líder na Câmara. Ele já removeu da função os deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), Bia Kicis (PSL-DF), Carlos Henrique Amorim (DEM-TO) e José Alves Rocha (PL-BA).

Bolsonaro tende a abrir mais espaços para o Centrão, pois, a médio prazo, ele teme manifestações populares pelo impeachment.

O Centrão, no entanto, não é sinônimo de conforto. Pelo contrário. Que o diga a ex-presidente Dilma Rousseff (PT).